ONG lança plataforma online para ajudar mulheres vítimas da violência

ONG lança plataforma online para ajudar mulheres vítimas da violência

A Rede Minha Campinas lançou uma a plataforma online, uma espécie de página na internet, para ajudar e facilitar o combate à violência contra a mulher. Chamada de “Mapa do Acolhimento”, a página online serve para conectar mulheres vítimas de violência sexual a atendimentos especializados.

De acordo com a organização, uma grande dificuldade que as vítimas enfrentam é a falta de acesso e de informação sobre estes serviços.

Foto: Aline Baker

Foto: Aline Baker/Divulgação

Neste primeiro momento da mobilização, a Rede Minha Campinas está convidando terapeutas a se inscreverem para oferecer seus serviços gratuitamente a algumas destas vítimas. Para quem não é terapeuta e quer apoiar, abrimos um espaço para que se inscrevam no grupo de #MulheresMobilizadas que se dispõe a ajudar a avaliar estes serviços. O objetivo é fazer com que as mulheres se sintam “todas juntas para que nenhuma mulher precise sofrer sozinha”.

Para fazer parte da mobilização, basta acessar o link mapadoacolhimento.nossascidades.org/

“O acolhimento oferecido à vítima é escasso e nem sempre o mais adequado. Muitas vezes as mulheres acabam sofrendo sozinhas e silenciadas, sem espaços seguros que acolham a mulher. É por isso que a Rede Minha Campinas se juntou para conectar quem pode dar assistência profissional com quem precisa de ajuda”, diz Claudia Oliveira, coordenadora de mobilização da Minha Campinas

Segundo dados da Secretaria de Segurança Pública (SSP) do Estado, o número de casos de estupro registrado em Campinas em fevereiro de 2016 é 150% maior em comparação a igual período de 2015. Foram 30 casos (mais de um por dia) contra 12 em 2015. Apesar dos números serem altos, sabe-se que a estatística é bem maior que a registrada, já que muitas vítimas deixam de fazer boletim de ocorrência por medo e vergonha.

O IPEA, em pesquisa lançada em 2014, estima que no mínimo 527 mil pessoas são estupradas por ano no Brasil, sendo que apenas 10% dos casos são notificados, 89% das vítimas destes atos violentos são mulheres e 70% dos estupros são cometidos por parentes, namorados ou conhecidos da vítima.

Fonte: Carta Campinas

Artigos relacionados

Notícias

Terceirização precarizará condições de trabalho dos professores

Projeto representa uma ameaça real aos direitos adquiridos pela categoria, como semestralidade, bolsa de estudos e hora atividade A terceirização irrestrita, aprovada pela Câmara dos Deputados no dia 22 de

Notícias

Centrais farão jornada de luta contra reforma no dia 19/02

As Centrais Sindicais – CSB, CTB, CUT, Força, Intersindical, Nova Central e UGT -,  realizam em 19 de fevereiro um Dia Nacional de Luta contra a Reforma da Previdência. Sob o

Notícias

Nota Técnica do Centro de Referência em Saúde do Trabalhador de Campinas sobre o Coronavírus

Considerando o cenário atual da pandemia pelo Coronavírus (Covid-19), o CEREST Campinas (Centro de Referência em Saúde do Trabalhador) elaborou a Nota Técnica nº 1/2020, que tem por objetivo orientar as

0 comentários

Nenhum comentário

Você pode ser o primeiro a comentar esta matéria!