Anamatra defende autonomia dos juízes e dignidade da Justiça do Trabalho

A Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho divulgou segunda (30) Nota que defende a atuação da magistratura trabalhista, bem como sua autonomia técnica. A Nota, assinada pelo presidente Guilherme Feliciano, rechaça informações da imprensa sobre a aplicação da lei da reforma trabalhista, em especial editorial de O Estado de S. Paulo, alusivo falas do presidente do Tribunal Superior do Trabalho na Confederação Nacional da Indústria.

“A Anamatra, em momento algum sugeriu, propôs ou incentivou os associados a deixarem de aplicar a lei. Tanto menos propôs boicotes ou sabotagens”, diz a Nota. E reforça ainda que “a imparcialidade e a independência” dos juízes trabalhistas são uma garantia de Justiça para os brasileiros. “Qualquer iniciativa tendente à mitigação ou à supressão de tal garantia deve ser denunciada como incompatível com o Estado de Direito”, aponta.

A Nota da entidade, que representa mais de quatro mil juízes do Trabalho, assinala que a Lei 13.467/2017 fomenta inúmeras dúvidas de convencionalidade e de constitucionalidade especialmente no âmbito jurídico. “Tais vícios vêm sendo apontados pela Anamatra e por outras entidades, desde o início da tramitação do PL nº 6.787/2016”, destaca.

“A discussão que se seguirá nas Varas e Tribunais do trabalho, a partir de 13 de novembro, será, portanto, em razão dos próprios defeitos e imprecisões inerentes à lei”, observa, lembrando que os resultados da 2ª Jornada de Direito Material e Processual do Trabalho, organizada pela Anamatra, ANPT, ABRAT e pelo Sinait refletem essa realidade.

Guilherme Feliciano reitera que, apesar das ressalvas ao conteúdo da lei, em momento algum a Anamatra sugeriu, propôs ou incentivou os juízes a deixarem de aplicá-la.

“Falta com a verdade o presidente do TST ao afirmar, perante plateia de empresários ─ como sugere o editorial do Estadão ─, que a 2ª Jornada reuniu ‘grupo de juízes e procuradores’ atados à ‘promessa’ de deixar de aplicar a Lei nº 13.467/2017, ‘a pretexto’ de violar a Constituição e/ou convenções internacionais”, diz o texto.

E segue:

“(a) A 2ª Jornada consistiu em um evento jurídico-científico de amplo espectro, com claro perfil acadêmico, e não em concílio político ou ato de fé de qualquer ordem;

(b) A 2ª Jornada não implicou qualquer tomada de posição política por parte da Anamatra ou de qualquer entidade organizadora, cujas instâncias deliberativas estatutárias são necessariamente outras;

(c) Os enunciados da Jornada têm caráter doutrinário-científico e assim têm sido divulgados, para a livre reflexão de todos os operadores do Direito Material e Processual do Trabalho;

(d) A Anamatra é a maior entidade associativa de juízes do Trabalho do planeta, enquanto a 2ª Jornada reuniu mais juízes do Trabalho do que qualquer outro evento nacional, até o momento, sobre a Lei nº 13.467/2017;

(e) A violação da Constituição ou dos tratados internacionais em vigor não são, em absoluto, reles ‘pretexto’ para não se aplicar leis. Bem ao contrário, em tais hipóteses, é dever primeiro da autoridade judiciária proceder ao controle difuso de constitucionalidade e de convencionalidade das leis.”

O texto adverte ainda que toda e qualquer lei está sujeita à interpretação das cortes judiciais.

Sobre reportagem da “Folha de S.Paulo”, de 30/10, (Justiça do Trabalho é lenta e pouco efetiva para o empregado), a Anamatra esclarece que, de acordo com o relatório do Conselho Nacional de Justiça, o número de processos em todos os ramos do Judiciário cresceu 5,6%, sendo que 11,5% dos novos processos em todo o Poder Judiciário se referem ao inadimplemento de verbas rescisórias.

“Já por isto se vê que a existência da Justiça do Trabalho ainda se justifica, entre outras razões, pelo elevado nível de descumprimento das obrigações trabalhistas”, diz. O presidente da Anamatra frisa ainda que, apesar de sobrecarregada, a Justiça do Trabalho recebeu, em 2016, 4,2 milhões de ações e julgou 4,3 milhões, “respondendo positivamente ao acréscimo decorrente da aguda crise econômica”.

A entidade encerra o texto repudiando “discursos que, a qualquer pretexto ou por quaisquer interesses, pretendam inibir, ‘enquadrar’ ou impedir o livre exercício da função constitucional afeta a todos os juízes do Trabalho, em quaisquer de suas facetas”.

Fonte: Portal da Agência Sindical

Artigos relacionados

Notícias 0 comentários

A História da Riqueza do Homem

O professor, Coordenador-Técnico do CES,  ex-Presidente da CONTEE e do SINPRO Campinas, Augusto César Petta, resenhou o livro do jornalista e escritor marxista norte-americano Leo Huberman intitulado “História da Riqueza

Notícias

Entidades divulgam Manifesto em Defesa da Escola Democrática

Entidades divulgam manifesto em defesa da escola democrática que faz uma dura crítica ao projeto de lei que pretende criminalizar a prática docente e transformar o espaço escolar num campo do

Notícias

Eleição Apropucc: Chapa “Valorizar o Professor, Fortalecer a Profissão” é eleita com 96,4% de aprovação

Depois de uma semana intensa de eleição para escolha da nova diretoria da Apropucc, a apuração dos votos começou na tardedesta sexta-feira (10) e terminou por volta das 18h30. Do

0 comentários

Nenhum comentário

Você pode ser o primeiro a comentar esta matéria!