Contra bullying, educadores defendem prevenção, colaboração e empatia

São Paulo – Para especialistas em educação ouvidos em audiência pública, no Senado, nesta quarta-feira (6), escolas e educadores devem assumir a responsabilidade pela socialização dos alunos e zelar pelo desenvolvimento de valores humanos nas escolas, para construir ambientes educativos “emocionalmente seguros” livres da prática de bullying. “A chave é levar escolas e professores a assumir responsabilidade pela socialização dos alunos e prevenir o bullying mediante a imediata intervenção, pela conversa, debate e negociação”, afirmou a professora emérita da Universidade de Brasília (UNB) Angela Uchoa Branco, coautora do livro Bullying – Escola e família enfrentando a questão.

Segundo ela, casos de agressão e intimidação ocorridos entre alunos exigem atenção e monitoramento contínuo por parte das instituições de ensino e refletem a violência presente no conjunto da sociedade, estimulada por valores como individualismo, competição e intolerância. “Será que estamos reforçando a socialização no sentido da violência, da agressividade, da competição e do individualismo, ou estamos criando condições novas que gerem outro tipo de relação entre as pessoas? Nossa cultura é extremamente violenta. Todos nós experimentamos esse tipo de violência”, questionou.

Em contraposição, pais e professores devem estimular relações baseadas na cooperação e na empatia, dando exemplo de que a colaboração é o melhor caminho para a resolução de conflitos. Casos de hostilidade, humilhação e perseguições sistemáticas de alunos contra colegas provocam, segundo ela, uma “lista infindável” de consequências, como isolamento social, baixa autoestima, dificuldade de aprendizagem, evasão, depressão, automutilação e até mesmo ideias indutoras de suicídio ou homicídio.

A audiência foi realizada a pedido da senadora Marta Suplicy (PMDB-SP). Ela ressaltou pesquisa do Programa Internacional de Avaliação de Alunos que constatou que, no Brasil, 7,5% dos estudantes disseram sofrer alguma das formas de bullying “algumas vezes por mês”; 7,8% disseram ser excluídos pelos colegas; 4,1%, serem ameaçados; e 3,2%, empurrados e agredidos fisicamente.

Já a procuradora de Planaltina (DF) Isabella Banna, autora do livro Bullying, Homofobia e Responsabilidade Civil das Escolas, destacou que o Brasil conta, desde 2015, com com a Lei 13.185, que institui o Programa de Combate à Intimidação Sistemática (Bullying), mas sem ser aplicado devidamente. Segundo ela, a maioria das escolas ainda desconhece a legislação.

“São poucas as escolas que aderem ou possuem programa de combate à intimidação sistemática. Quando possuem algum tipo de medida, são pontuais, e em razão do próprio dano. O dano já está instaurado. Não há nada que se faça anteriormente à prática”, afirmou.

Também participaram do debate a presidenta da Associação pela Saúde Emocional das Crianças, Tania Paris, além de um diretor e outro professor de escolas do entorno de Brasília, que ressaltaram a importância da prevenção, já que o bullying é um tipo de “violência silenciosa” só percebido quando as consequências “nefastas” já são sentidas.

Marta criticou decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que, em setembro, autorizou o ensino religioso obrigatório nas escolas públicas. “É um espanto colocar religião como matéria, num país laico, como ensino obrigatório. Agora, querem introduzir sexualidade na aula de religião. Quer dizer, é tudo ao contrário do que se tem que fazer em educação.”

Fonte: Rede Brasil Atual

Artigos relacionados

Notícias

Dia 24, trabalhadores ocuparão Brasília contra as reformas de Temer

As centrais sindicais se uniram para convocar uma grande marcha dos trabalhadores para Brasília no próximo dia 24. O objetivo é barrar a aprovação da Reforma da Previdência, em tramitação

Notícias

Curso “Introdução à História da Revolução Russa” será realizado em parceria com a Apropucc

A Fundação Maurício Grabois (FMG) em parceria com outras entidades, entre elas a Apropucc, está realizando o curso de “Introdução à História da Revolução Russa”. Será nos dias 10, 11,

Notícias

Licença sem remuneração não deve atender aos interesses das escolas

O Sinpro Campinas e Região tem recebido denúncias de professores que estão sendo levados a solicitar licença sem remuneração para atender aos interesses das instituições do Ensino Superior e da

0 comentários

Nenhum comentário

Você pode ser o primeiro a comentar esta matéria!