Artigo: Terceirização, reforma trabalhista e o STF como inimigo

Por José Geraldo de Santana Oliveira*

Se para algum fiel defensor da Ordem Democrática ainda havia alguma dúvida sobre o explícito apoio do Supremo Tribunal Federal (STF) à impropriamente chamada reforma trabalhista, esta feneceu-se com a decisão liminar do ministro Roberto Barroso, tomada na Ação Declaratória de Constitucionalidade (ADC) N. 48, ajuizada pela Confederação Nacional dos Transportes (CNT), em defesa da constitucionalidade da Lei N. 11.442/2007 — que trata da terceirização do transporte de cargas —, ao dia 19 de dezembro corrente.

Na referida decisão liminar, o ministro Roberto Barroso faz apologia da terceirização da atividade-fim, considerando-a a mais avançada e a mais legítima defesa da livre iniciativa, sem, contudo, dizer uma palavra sequer sobre os valores sociais do trabalho, que compõem com os da livre iniciativa o quarto fundamento da República Federativa do Brasil (Art. 1º, inciso IV, da Constituição Federal), vindo aqueles antes destes; e, ainda, silencia-se por completo sobre a valorização do trabalho humano, primeiro fundamento da Ordem Econômica (Art. 170 da CF), que tanto lhe encanta. Além do que já antecipa a sua posição sobre a Lei N. 13.467/2017, que a consagra no Art. 4º.

Na sua decisão, composta por 18 páginas, sendo a maioria de loas à terceirização, o ministro, no rol de sua defesa desta, destaca:

“[…]

25. É nesse contexto que se coloca a discussão sobre a terceirização no Brasil. A terceirização é muito mais do que uma forma de reduzir custos trabalhistas por meio de uma suposta precarização do trabalho, tal como alegado pelos que a ela se opõem. Pode, em verdade, constituir uma estratégia sofisticada e, eventualmente, imprescindível para aumentar a eficiência econômica, promover a competitividade das empresas brasileiras e, portanto, para manter e ampliar postos de trabalho. Essa é a relevância da terceirização para a estruturação das atividades econômicas e é com essa perspectiva que deve ser examinada.

III.1.2. PRINCÍPIOS DA LIVRE INICIATIVA, DA LEGALIDADE E DA PROTEÇÃO AO EMPREGO

26. Nessa linha, no que respeita à compatibilidade entre a terceirização e as normas constitucionais, deve-se lembrar que a Constituição de 1988 consagra a livre iniciativa e a livre concorrência como valores fundantes da ordem econômica (CF/1988, art. 1º c/c art. 170, caput e inc. IV). De acordo com tais princípios, compete aos particulares a decisão sobre o objeto de suas empresas, sobre a forma de estruturá-las e sobre a estratégia para torná-las mais competitivas, desde que obviamente não se violem direitos de terceiros.

Não há na Constituição norma que imponha a adoção de um único modelo de produção e que obrigue os agentes econômicos a concentrar todas as atividades necessárias à consecução de seu negócio ou a executá-las diretamente por seus empregados.

27. A Lei nº 11.442/2007, por sua vez, previu as figuras da empresa de transporte rodoviário de cargas (ETC) e do transportador autônomo de cargas (TAC). E estabeleceu que o TAC pode ser contratado diretamente pelo proprietário da carga ou pela ETC. A norma autorizou, portanto, de forma expressa, que a empresa transportadora de cargas terceirizasse a sua atividade-fim, por meio da contratação do transportador autônomo.

28. A decisão sobre a forma de estruturar e contratar o transporte de cargas está inserida na estratégia empresarial da ETC. A ETC pode entender, por exemplo, que seu diferencial está na gestão do serviço de transporte, e não na sua execução direta propriamente. Nesse caso, poderá concentrar esforços na gestão da atividade e subcontratar a sua execução. Pode decidir executar o transporte em algumas regiões e optar por subcontratar o transporte para outras. Pode, ainda, valer-se da contratação do TAC em períodos de pico de demanda, em que não disponha de motoristas em número suficiente.

29. Do mesmo modo, o proprietário de carga que opte por gerenciar a distribuição dos seus produtos pode valer-se de motoristas empregados para distribuí-los. Pode executar parte do transporte e terceirizar parte. Pode concluir que é mais eficiente terceirizar integralmente a atividade de transporte. Trata-se, igualmente, de estratégia empresarial do proprietário da carga. 30. Note-se, ademais, que as categorias previstas na Lei nº 11.442/2007 convivem com a figura do motorista profissional empregado, prevista no art. 235-A e seguintes da CLT. O TAC constitui apenas uma alternativa de estruturação do transporte de cargas. Não substitui ou frauda o contrato de emprego.

31. É válido observar, igualmente, que as normas constitucionais de proteção ao trabalho não impõem que toda e qualquer relação entre o contratante de um serviço e o seu prestador seja protegida por meio da relação de emprego. Há alguma margem de conformação para o legislador ordinário. Não bastasse isso, ainda que se utilizassem os parâmetros da própria Consolidação das Leis do Trabalho, o transportador autônomo de carga não se configuraria como empregado.

32. De acordo com o art. 3º da CLT, a relação de emprego caracteriza-se pelos seguintes elementos: (i) onerosidade, (ii) não eventualidade, (iii) pessoalidade e (iv) subordinação. A Lei nº 11.442/2007 prevê duas modalidades distintas de TAC. O TAC-agregado e o TAC independente. O TAC-agregado, nos termos do art. 4º, §1º, da Lei nº 11.442/2007, dirige o próprio serviço e pode prestá-lo diretamente ou por meio de preposto seu, por expressa determinação legal. Não estão presentes, portanto, na relação com o contratante, os elementos da pessoalidade e da subordinação. O TAC-independente presta serviços em caráter eventual. Portanto, em nenhum dos dois casos haveria relação de emprego nem mesmo à luz dos critérios da CLT.

33. Por fim, é importante ter em conta, ainda, que a Lei 13.467/2017 (Lei da Reforma Trabalhista) autorizou expressamente a terceirização da atividade principal da empresa (art. 4º), na mesma linha do que já havia feito a norma objeto desta ação. Desse modo, tudo indica que a norma em exame é não apenas constitucional, mas compatível com o sentido em que o ordenamento infraconstitucional parece avançar.

34. Diante do exposto, concluo que a Constituição não veda a terceirização das atividades-fim. Ao contrário, o princípio constitucional da livre iniciativa assegura às empresas a formulação das suas próprias estratégias empresariais. No caso do transporte de carga, a possibilidade de terceirização da atividade-fim é, ademais, inequívoca porque expressamente disciplinada na Lei nº 11.442/2007. Não há que se falar na inconstitucionalidade da norma, uma vez que a Constituição também não impõe a proteção de toda e qualquer prestação remunerada de serviços mediante a configuração de relação de emprego. Por fim, é de se notar que nem mesmo pelos critérios da Consolidação das Leis do Trabalho seria possível configurar a contratação do transporte autônomo de carga como relação de emprego, diante da ausência dos requisitos da pessoalidade, da subordinação e/ou da não-eventualidade.

III.2. PERIGO NA DEMORA

35. O perigo na demora é inequívoco. Como demonstrado pela requerente, diversas decisões da Justiça do Trabalho têm reconhecido o vínculo de emprego entre os transportadores autônomos e as empresas que os contratam, a despeito do que dispõe a Lei nº 11.442/2007. Muito embora se trate de norma de 2007, as decisões apresentadas pela requerente demonstram que a insegurança sobre a constitucionalidade da lei persiste no tempo. Nessas condições, há lesão ou risco de lesão de difícil reparação para todos aqueles que figuram como partes na relação contratual em questão. A insegurança jurídica, passados tantos anos do início de vigência da norma, torna ainda mais grave o perigo na demora.

IV. CONCLUSÃO

36. Diante do exposto, defiro a cautelar para determinar a imediata suspensão de todos os feitos que envolvam a aplicação dos artigos 1º, caput, 2º, §§ 1º e 2º, 4º, §§ 1º e 2º, e 5º, caput, da Lei 11.442/2007. Determino, por fim, a inclusão do processo em pauta, para referendo da cautelar e concomitante julgamento do mérito pelo Plenário do Supremo Tribunal Federal. Publique-se. Intimem-se. Brasília, 19 de dezembro de 2017. Ministro LUÍS ROBERTO BARROSO Relator”.

Destarte, mais do que nunca, apresenta-se, com clareza absoluta, que o STF só exerce a condição de guardião da CF, conforme lhe determina o Art. 102 desta, no tocante aos interesses da livre iniciativa (capital); no que concerne aos valores sociais do trabalho (Art. 1º, inciso IV, primeira parte), à valorização do trabalho humano (Art. 170, caput) e ao primado do trabalho (Art. 193), declara-se o seu impiedoso carrasco.

Por tudo isso, na árdua luta que se tem de travar, contra a reforma trabalhista, o STF não é aliado, nem sequer observador isento. Ao contrário, é inimigo declarado.

Pedir-lhe que declare a inconstitucionalidade da Lei N. 13.467/2017 é o mesmo que pedir ao capital para ser justo e não explorar o trabalho.

Calha, aqui, lembrar as últimas palavras de Giordano Bruno, pouco minutos antes de ser queimado pela fogueira da inquisição, em 1600: “Que ingenuidade a minha, pedir aos donos do poder para reformá-lo”.

*José Geraldo de Santana Oliveira é consultor jurídico da Contee

Fonte: Contee

Artigos relacionados

Notícias

Governo Alckmin é acusado de retaliação contra estudantes que barraram reorganização

Menos de dois meses após ceder às pressões dos estudantes que ocuparam 213 escolas e as ruas e anunciar, em 4 de dezembro, a suspensão da reorganização da rede estadual

Notícias

Dia 24, trabalhadores ocuparão Brasília contra as reformas de Temer

As centrais sindicais se uniram para convocar uma grande marcha dos trabalhadores para Brasília no próximo dia 24. O objetivo é barrar a aprovação da Reforma da Previdência, em tramitação

Notícias

Ato marca Dia Internacional de Luta da Mulher

Hoje, 8 de março, a partir das 16h, em frente à Catedral, acontece o grande ato do Dia Internacional de Luta da Mulher em Campinas sob o lema “Nenhuma a

0 comentários

Nenhum comentário

Você pode ser o primeiro a comentar esta matéria!