Unicamp também ministrará disciplina sobre o golpe

Jornal GGN – A disciplina especial ‘O golpe de 2016 e a democracia’, do professor Luis Felipe Miguel, na UnB, que fez com que o ministro da Educação, Mendonça Filho, esbravejasse, já está com as vagas todas preenchidas e uma lista de espera de 40 pessoas. Quando o período de ajuste de matrícula da UnB abrir, na segunda-feira, espera-se que esta lista aumente bastante. A reação do ministro ajudou muito.
E ajudou mais. Graças ao seu desempenho, o curso e o professor ganharam um novo aliado. O Instituto de Filosofia e Ciências Humanas (IFCH) da Unicamp criou uma disciplina com o mesmo nome e teor da que será ministrada por Luis Felipe Miguel, na UnB.
No caso da Unicamp, cada professor dará uma palestra no curso como forma de se solidarizar com Luis Felipe por conta desta perseguição engendrada por Mendonça Filho. O ministro ameaçou a UnB e o professor com todos os dispositivos possíveis para intimidá-los.
A disciplina na Unicamp terá o praticamente o mesmo conteúdo da oferecida pela UnB, um ato de solidariedade e de desobediência coletiva contra o autoritarismo e agressão contra a autonomia universitária e liberdade de cátedra.
Leia a nota dos docentes da Unicamp.

NOTA DO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA POLÍTICA DA UNICAMP EM DEFESA DA LIBERDADE DE CÁTEDRA E DA AUTONOMIA UNIVERSITÁRIA

O Departamento de Ciência Política da Unicamp vem a público manifestar irrestrita solidariedade ao professor e pesquisador Luís Felipe Miguel, da Universidade de Brasília, que ministrará neste semestre a disciplina “O golpe de 2016 e o futuro da democracia no Brasil”.

Repudiamos as declarações e ameaças do ministro da Educação do governo golpista contra nosso colega da UnB. Elas são a demonstração cabal de que vivemos em um contexto político autoritário, no qual a máxima autoridade federal no campo educacional infringe a liberdade de cátedra e a autonomia universitária contra um docente e cientista político que apenas cumpre seu dever de ofício: pesquisar, elaborar cursos sobre a realidade e ensinar.

Manifestamos nossa mais profunda indignação contra os ataques à Universidade Pública e aos seus membros que temos assistido nos últimos meses no Brasil. Não é esse o caminho pelo qual transformaremos o Brasil em um país soberano, justo e livre. Estamos e estaremos juntos na luta para mudar a atual situação política do país.

Docentes do Departamento de Ciência Política da Unicamp e demais apoiadores

Fonte: GGN – LuisNassif Online

Artigos relacionados

Notícias

Movimentos, partidos e ONGs lançam frente ampla por diretas já

São Paulo – Partidos políticos de esquerda, movimentos populares, centrais sindicais, religiosos, juristas, estudantes e organizações não-governamentais, reunindo mais de 55 entidades representativas de diferentes setores da sociedade civil, de

Notícias

Apropucc e Sinpro são contrários às mudanças na carga horária dos professores

A diretoria da Apropucc e do Sinpro Campinas e Região estiveram reunidos com a reitoria da PUC-Campinas nesta segunda-feira, dia 19, para obter esclarecimentos sobre as alterações da atribuição de

Notícias

Centrais Sindicais indicam Greve Geral para 30/06

Reunidos ontem (05), em São Paulo, líderes de dez centrais sindicais apontaram o dia 30 de junho para construir a Greve Geral. A decisão ainda passa por assembleias dos sindicatos

0 comentários

Nenhum comentário

Você pode ser o primeiro a comentar esta matéria!