Projeto “Escola sem Partido” volta à Câmara de Campinas

Após 9 meses parado, o projeto “Escola sem Partido”, PLO 213/2017, do vereador Tenente Santini, volta para ser votado na Câmara Municipal de Campinas.

O projeto pretende eliminar a discussão ideológica no ambiente escolar, restringir os conteúdos de ensino a partir de uma pretensa ideia de neutralidade do conhecimento, e o mais grave, criminalizar o professor. Tal projeto nivela todo conhecimento à mera informação e elimina a problematização da realidade e da vida.

Mesmo com o repúdio de movimentos sociais, estudantes, sindicatos e professores e com a análise da Faculdade de Educação da Unicamp que qualificou o projeto como “deseducativo e autoritário”, o projeto foi aprovado em primeira votação no dia 04 de setembro de 2017.

Agora, o projeto volta à Câmara e é nosso dever barrar esse grande retrocesso para a educação e para a democracia.

O Sinpro Campinas e região manifesta-se contrário a esse projeto antidemocrático que fere a constituição e a educação, além de ser um grande retrocesso. Já conhecemos essa história e repudiamos toda tentativa de criminalizar o pensamento crítico e de romper com o ambiente de diálogo necessário para o saudável desenvolvimento de uma consciência cidadã e comprometida com a transformação democrática do meio social.

Professores, chegou o momento de pressionarmos os vereadores. Compareçam à Câmara Municipal nesta quarta-feira (26), às 16:30, no Ato Por Uma Escola Sem Censura, confirme sua presença no Facebook, clique aqui:

A diretoria da Apropucc rechaça essa proposta que ataca os nosso direitos e alerta a categoria para esses políticos, principalmente os que estão concorrendo às eleições 2018, mas já demonstram falta de compromisso com as nossas bandeiras de luta.

Pela liberdade dos professores e professoras em sala de aula, vamos barrar esse projeto!

Fonte: Sinpro Campinas

Artigos relacionados

Notícias

Coordenador-geral da Contee convoca trabalhadores a manter paralisação contra a reforma da Previdência

O coordenador-geral da Contee, Gilson Reis, convocou os trabalhadores da base da Confederação, professores e técnicos administrativos que atuam na educação privada, a manter a paralisação convocada para a próxima

Notícias

UNE denuncia impactos da reforma trabalhista no ensino superior

A Contee nasceu na luta pelos direitos dos trabalhadores em estabelecimentos de ensino e pela defesa da educação pública, laica e de qualidade. Também a União Nacional dos Estudantes (UNE),

Notícias 0 comentários

A atualidade de Simone Beauvoir e a denúncia ao pensamento de direita

Há um livro de Simone Beauvoir pouco referido em análises sobre a autora. Trata-se de “O pensamento de direita, hoje”, publicado na França em 1955 e no Brasil em 1967.

0 comentários

Nenhum comentário

Você pode ser o primeiro a comentar esta matéria!