Pesquisa sobre Violência Contra a Mulher no Ambiente Universitário

Pesquisa sobre Violência Contra a Mulher no Ambiente Universitário

O Instituto Avon/Data Popular elaborou uma pesquisa sobre a “Violência Contra a Mulher no Ambiente Universitário”.

A pesquisa foi realizada ao longo de setembro e outubro de 2015 com universitários dos cursos de graduação e pós-graduação de instituições privadas e públicas. Ela contou com uma fase quantitativa, realizada online, e uma qualitativa, com grupos de discussão envolvendo universitários de ambos os sexos e entrevistas em profundidade com especialistas. Em ambas as fases foram coletados depoimentos dos estudantes.

O resultado apresenta uma situação alarmante: estudantes homens ainda não reconhecem muitas das violências que cometem (assédio sexual, coerção, violência sexual, violência física, desqualificação intelectual e agressão moral/psicológica). Isso significa que mulheres estão sofrendo violência por parte de homens que pensam ser natural fazer o que fazem.

Das mulheres, 67% relatam ter sofrido violência de um homem na universidade ou em festas acadêmicas. Sem contar que, elas sofrem mais violências que as que eles reconhecem cometer. E intimidadas, 63% delas não reagiram quando sofreram a violência.

Um dado importante é que 64% dos homens e 78% das mulheres concordam que o tema violência contra a mulher deveria ser incluído nas aulas e a maior parte deles quer atitude punitiva por parte das universidades.

O objetivo da pesquisa é promover o debate, a troca de ideias, a reflexão e, principalmente, a transformação.

Sem dúvida, os dados apresentados nessa pesquisa nos leva a questionar a opressão vivida pelas mulheres nessa sociedade machista e preconceituosa, além de fomentar a reflexão acerca das raízes da violência contra a mulher e contribuir para combatê-la.

A pesquisa Violência Contra a Mulher no Ambiente Universitário completa está disponível aqui.

Artigos relacionados

Notícias 0 comentários

Negros e negras que deveriam ser mais estudados nas escolas

“Parece que os negros não têm passado, presente e futuro no Brasil. Parece que sua história começou com a escravidão, sendo o antes e o depois dela propositalmente desconhecidos.” Quem

Notícias

NOTA PÚBLICA: Apropucc repudia Projeto de Lei baseado na “Escola Sem Partido” e se solidariza com o professor Arnaldo Lemos

Em nota oficial a diretoria da Apropucc manifesta seu repúdio ao projeto de lei campineiro que tem como base a proposta “Escola Sem Partido” e se solidariza com o professor

Notícias

1º de Maio, o Dia do Trabalhador!

Neste domingo, 1º de Maio,  comemora-se o Dia do Trabalhador. Em Campinas o ato político e cultural que marca a luta da classe trabalhadora pela democracia e contra os ajustes

0 comentários

Nenhum comentário

Você pode ser o primeiro a comentar esta matéria!