Faculdade de Educação da Unicamp debate “Escola sem Partido”

escola_sem_partido_-_gaudencio_frigotto“Escola sem Partido” é o tema do debate que a Faculdade de Educação (FE) da Unicamp promoverá no dia 7 de outubro (sexta-feira), das 14 às 17h, no Salão Nobre (1º andar, bloco E).

O evento contará com a presença do professor Dr. Gaudêncio Frigotto (UERJ) que discutirá esse projeto que visa evitar o estímulo ao pensamento crítico dentro da sala de aula sob a falsa pretensão de estar existindo certa “doutrinação” dos estudantes.

A doutora em educação e pesquisadora da Fundação Carlos Chagas, Sandra Unbehaum, afirma que apesar do discurso de neutralidade, o “Escola Sem Partido” defende uma escola sem espaço para discussão da cidadania, garantia estabelecida na Lei de Diretrizes de Bases da Educação (9.394/96). “Como é que se desenvolve um pensamento crítico se não discutindo política, filosofia, sociologia, história? Você não vai discutir política partidária, mas vai discutir num sentido amplo, de organização e composição da sociedade”, argumenta.

O fato é que a escola é um espaço plural e deve estar conectada com a sociedade. Então exigir a neutralidade do discurso caminha na contramão das discussões sobre as demandas da atualidade que a escola não pode se negar a fazer.

O debate sobre o projeto “Escola Sem Partido” é oportuno e exige dos educadores uma postura firme de combate. Para conhecer as ideias e defesas do professor Gaudêncio Frigotto sobre o tema confira abaixo o artigo “Escola sem partido: imposição da mordaça aos educadores”.

A inscrição para o debate vai até às 23h do dia 6 de outubro no site da FE, acesse aqui.

Gaudêncio Frigotto

foto-gaudencio-frigotto1Doutorado em Educação: História, Política, Sociedade – pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1983). Atualmente é professor adjunto da Universidade do Estado do Rio de Janeiro e professor Titular em, Economia Política da Educação aposentado – na Universidade Federal Fluminense. Pesquisador AI – Sênior do Conselho Nacional de Pesquisa Certifica e Tecnológica (CNPq). Foi membro dos Comitês científicos da área de educação no CNPq, CAPES e FAPERJ, onde continua como consultor ad hoc até o presente. Coordenador do Grupo CNPQ – Trabalho, História, Educação e Saúde (THESE). Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Fundamentos da Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: educação e trabalho, educação básica e educação técnica e profissional na perspectiva da politecnia, educação e a especificidade das relações de classe do capitalismo no Brasil.

 

 

Fonte: com informações do site da Faculdade de Educação da Unicamp e da EBC (Empresa Brasileira de Comunicação)

Artigos relacionados

informativos

Impera o caos jurídico na legislação trabalhista

José Geraldo de Santana Oliveira (*) Como já foi fartamente noticiado, caducou-se, no dia 23, a Medida Provisória (MP) N. 808/2017, baixada (tecnicamente, seria editada, mas como, efetivamente, tem caráter

informativos

Campanha Salarial 2019: Educação Básica

Na primeira rodada de negociação da campanha salarial 2019 na Educação Básica, realizada nesta quinta-feira, 24, o patronal mostrou que ainda está sob o impacto da bem sucedida mobilização que

informativos

Andes publica cartilha sobre Marco Legal de C&T

O ANDES-SN (Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior – Sindicato Nacional) elaborou uma cartilha sobre Ciência e Tecnologia intitulada “Marco Legal de Ciência, Tecnologia e Inovação (Lei 13243/16): riscos

0 comentários

Nenhum comentário

Você pode ser o primeiro a comentar esta matéria!