Faculdade de Educação da Unicamp debate “Escola sem Partido”

escola_sem_partido_-_gaudencio_frigotto“Escola sem Partido” é o tema do debate que a Faculdade de Educação (FE) da Unicamp promoverá no dia 7 de outubro (sexta-feira), das 14 às 17h, no Salão Nobre (1º andar, bloco E).

O evento contará com a presença do professor Dr. Gaudêncio Frigotto (UERJ) que discutirá esse projeto que visa evitar o estímulo ao pensamento crítico dentro da sala de aula sob a falsa pretensão de estar existindo certa “doutrinação” dos estudantes.

A doutora em educação e pesquisadora da Fundação Carlos Chagas, Sandra Unbehaum, afirma que apesar do discurso de neutralidade, o “Escola Sem Partido” defende uma escola sem espaço para discussão da cidadania, garantia estabelecida na Lei de Diretrizes de Bases da Educação (9.394/96). “Como é que se desenvolve um pensamento crítico se não discutindo política, filosofia, sociologia, história? Você não vai discutir política partidária, mas vai discutir num sentido amplo, de organização e composição da sociedade”, argumenta.

O fato é que a escola é um espaço plural e deve estar conectada com a sociedade. Então exigir a neutralidade do discurso caminha na contramão das discussões sobre as demandas da atualidade que a escola não pode se negar a fazer.

O debate sobre o projeto “Escola Sem Partido” é oportuno e exige dos educadores uma postura firme de combate. Para conhecer as ideias e defesas do professor Gaudêncio Frigotto sobre o tema confira abaixo o artigo “Escola sem partido: imposição da mordaça aos educadores”.

A inscrição para o debate vai até às 23h do dia 6 de outubro no site da FE, acesse aqui.

Gaudêncio Frigotto

foto-gaudencio-frigotto1Doutorado em Educação: História, Política, Sociedade – pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1983). Atualmente é professor adjunto da Universidade do Estado do Rio de Janeiro e professor Titular em, Economia Política da Educação aposentado – na Universidade Federal Fluminense. Pesquisador AI – Sênior do Conselho Nacional de Pesquisa Certifica e Tecnológica (CNPq). Foi membro dos Comitês científicos da área de educação no CNPq, CAPES e FAPERJ, onde continua como consultor ad hoc até o presente. Coordenador do Grupo CNPQ – Trabalho, História, Educação e Saúde (THESE). Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Fundamentos da Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: educação e trabalho, educação básica e educação técnica e profissional na perspectiva da politecnia, educação e a especificidade das relações de classe do capitalismo no Brasil.

 

 

Fonte: com informações do site da Faculdade de Educação da Unicamp e da EBC (Empresa Brasileira de Comunicação)

Artigos relacionados

informativos

Técnicos do Ipea apontam risco de crescimento das ações trabalhistas com reforma

Técnicos do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) apontam que, se as instâncias de representação dos trabalhadores não forem fortalecidas, a reforma trabalhista não só prejudicará os trabalhadores como poderá

informativos

Assista ao vídeo da aula pública sobre “A Saúde do Trabalhador no Contexto das Reformas”

A Aula Pública “A Saúde do Trabalhador no Contexto das Reformas Trabalhista e Previdenciária”, ministrada pela psicóloga e professora da PUC-Campinas, Marcia Hespanhol Bernardo, no dia 23 de agosto, no

informativos

Acordo de dois anos e aumento real no salário

Boletim da Fepesp publicado em Abril/2017

0 comentários

Nenhum comentário

Você pode ser o primeiro a comentar esta matéria!