Previsão Orçamentária e pauta da Campanha Salarial 2018 são aprovadas

Foi aprovada no último sábado, dia 25, a proposta de Previsão Orçamentária do Sinpro Campinas e Região para o exercício de 2018, apresentada pelo diretor tesoureiro, Herick Martin Velloso, o Piu. Com o fim do imposto sindical e da contribuição assistencial, o sindicato perdeu 50% da sua receita em relação ao ano de 2017.

No próximo ano, o Sinpro contará com apenas uma fonte de receita, a mensalidade dos professores filiados. Com isso, o Sindicato terá que ajustar sua estrutura a esse orçamento.  Atualmente, o Sindicato possui uma estrutura que abrange além da sua sede, em Campinas, as Subsedes de Americana/Santa Bárbara d’Oeste, Limeira/Araras e Piracicaba, 16 funcionários, o Departamento Jurídico, com dois advogados e a Colônia de Férias de Caraguatatuba.

A mensalidade do professor autônomo sindicalizado será reajustada em fevereiro de 2018. A contribuição irá de R$ 25,50 para R$ 27,00. Os professores mensalistas continuarão contribuindo com 1% do salário e os horistas com uma hora-aula.

As diárias da Colônia de Férias também terão reajuste no mês de fevereiro. Os novos valores serão de R$ R$40,00 a diária para professores sindicalizados e seus dependentes e de R$ 20,00 para crianças de 3 a 9 anos. Para convidados a diária será de R$ 60,00 para adultos e de R$ 30,00 para crianças de 3 a 9 anos.

A assembleia também aprovou reajuste para o aluguel do salão da sede do Sindicato. Os preços são R$ 250,00 para associados, R$ 350,00 mais taxa de limpeza para professores não associados e comunidade e R$ 400,00 mais taxa de limpeza para as demais pessoas.

Campanha de Sindicalização

Os professores presentes também discutiram a necessidade de manter a Campanha de Sindicalização e o trabalho de base já realizado pelos diretores do Sindicato. Diante da atual conjuntura, a participação da categoria é fundamental para manter um Sindicato forte e combativo.

Campanha Salarial 2018

Nesta data, também foi realizada a assembleia da Campanha Salarial para 2018. Foi deliberada a pauta para a negociação da nova Convenção Coletiva da Educação Básica, que tem vigência até fevereiro de 2018, e alguns pontos da Convenção Coletiva do Ensino Superior e do Acordo Coletivo Sistema do S, que possuem cláusulas com vigência de um ano.

No Ensino Superior, deverão ser renegociadas as cláusulas que tratam sobre o reajuste salarial, assistência média hospitalar, bolsa de estudo (exclusivamente para os cursos de medicina, odontologia, psicologia e direto), indenização adicional para professores com mais de 50 anos de idade, creche e contribuição assistencial/contribuição para o sindicato – taxa negocial.

Já no Sistema S, as cláusulas que terão que ser negociadas novamente são: reajuste salarial, vale-alimentação, vale-refeição assistência médica, complementação de auxílio doença, indenização adicional para professores com ais de 50 anos e garantia ao professor em vias de aposentadoria.

Para esse ano, o Sindicato deve reivindicar um reajuste salarial da média dos índices inflacionários (previsão de 2%) com um aumento real de 50% da média dos índices e uma participação nos lucros (PLR) de 18% para os três segmentos.

Quando todos os sindicatos filiados à Fepesp realizarem suas assembleias, as pautas de reivindicações serão unificadas e enviadas aos sindicatos patronais responsáveis pelas negociações.

Com a atual situação do país e o constante ataque aos direitos dos trabalhadores promovido pelo governo, a prioridade desta Campanha Salarial é a manutenção de todos os direitos das Convenções e Acordos Coletivos e a inclusão de garantias que possam proteger os professores contra a reforma trabalhista. Para isso, é necessário o envolvimento da categoria na Campanha.

Artigos relacionados

Notícias

Ato Contra a Reforma da Previdência em Campinas

O governo usurpador de Michel Temer, planeja enviar o projeto de Reforma da Previdência nos próximos dias, projeto este que colocará em vigor, entre outras medidas- o aumento da idade

Notícias

Temer suspende programa nacional de combate ao analfabetismo

Depois de suspender contratações do Minha Casa Minha Vida e suspender novas vagas para Pronatec e Fies, o governo interino bloqueou o sistema de cadastro para o sistema que ensinaria

Notícias

Centrais Sindicais indicam Greve Geral para 30/06

Reunidos ontem (05), em São Paulo, líderes de dez centrais sindicais apontaram o dia 30 de junho para construir a Greve Geral. A decisão ainda passa por assembleias dos sindicatos

0 comentários

Nenhum comentário

Você pode ser o primeiro a comentar esta matéria!