Ato Contra o Golpe e pela Democracia

ato_10demaio2016_2Na próxima terça-feira (10) acontece em Campinas o “Ato Contra o Golpe e pela Democracia”. A concentração será a partir das 17h, no Largo do Rosário e em seguida será feita uma passeata pelo centro da cidade.

No dia 17 de abril a Câmara dos Deputados aprovou, sem nenhuma base legal e constitucional, um processo de impeachment contra a Presidenta Dilma. E na sexta-feira passada (6) os membros da Comissão do Senado aprovaram o relatório do senador Antonio Anastasia (PSDB) referendando a decisão dos deputados. O relatório segue agora para o Plenário no Senado e a votação ocorrerá na próxima quarta-feira (11).

Se o processo for aprovado pelo Senado, Dilma será afastada e teremos como presidente do Brasil Michel Temer (PMDB).

“O que é Crime de responsabilidade”?

Não há contra a presidente Dilma prova alguma de corrupção, mas dos 513 deputados, 52 são réus ou acusados de crime de corrupção.

Na opinião dos melhores juristas deste país, as chamadas “pedaladas fiscais” não são crime de responsabilidade e nem motivo para o impeachment previsto na Constituição Federal. Aliás, sabia que a maioria dos governadores e prefeitos do Brasil também as pratica? Por isso, afirmamos que o impeachment é um atentado à democracia do país.

Por que somos contra o impeachment?:

  1. Impeachment acabaria com nossa jovem democracia;
  2. Lutamos por muitos anos para fazer valer nosso voto, só conquistado após a campanha das Diretas Já;
  3. Os líderes dessa empreitada querem acabar com a política de valorização do salário mínimo e com as leis trabalhistas (CLT), como o 13º salário e férias, assim como defendem ampliar a terceirização para todos os setores e atividades fim; veja em: www.diap.org.br;
  4. Os que defendem o impeachment não querem nem precisam de mais universidades públicas, de cotas raciais e programas sociais como o ProUni, Fies, Minha Casa Minha Vida, Bolsa Família, Mais Médicos, Pronatec, Farmácia Popular e nem de políticas públicas voltadas ao povo negro, indígenas, mulheres e população LGBTT;
  5. A maioria dos congressistas quer entregar o patrimônio público como a Petrobrás, o Banco do Brasil, a Caixa Econômica Federal, FURNAS, Correios, entre outras empresas essenciais ao nosso desenvolvimento;
  6. Querem privatizar a educação e a saúde, transformando-as em um negócio lucrativo, e querem mudar o governo para se apossarem das reservas do tesouro nacional. Seu plano mais ambicioso será a entrega de nosso petróleo do pré-sal;
  7. A retomada do desenvolvimento e da geração de empregos não será resolvida com a derrubada de um governo que, embora tenha tido falhas, tirou mais de 40 milhões da linha da pobreza;
  8. Os que defendem o impeachment se negaram a aprovar a reforma política que foi proposta pelo governo Dilma. Sem essa reforma, não será possível combater adequadamente a corrupção.

Para defendermos a democracia, os direitos trabalhistas e sociais, participe do “Ato Contra o Golpe e pela Democracia”.

O protesto é organizado pela Frente Brasil Popular – Campinas com o apoio do PT, PCdoB, PDT, PCO, CUT, CT, UNE, UEE/SP, UJS, JPT. Levante Popular da Juventude, FACESP, CMP, UMES, UMM e Vila Soma (Sumaré), UBM, Marcha Mundial de Mulheres, UNEGRO, FMDH (Fórum Municipal de Defesa dos Direitos Humanos), e Pastoral Operária.

Fonte: com informações da Frente Brasil Popular

Artigos relacionados

Notícias

Professor Vitor Barletta Machado é o novo representante docente no CONSUN

Os professores da PUC-Campinas escolheram com 149 votos válidos o professor Vitor Barletta Machado para representante docente no CONSUN (Conselho Universitário) da PUC-Campinas. A professora Regina Esteves Jordão conquistou 45

Notícias

Em paralelo à Cúpula dos Brics, Brasil receberá o “Brics dos Povos” em novembro

Movimentos populares, sindicatos e partidos debatem questões comuns entre Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul Movimentos populares, sindicatos e partidos políticos dos países que formam o Brics – grupo

Notícias

Sindicato é imprescindível para responder à investida do capital

O movimento sindical está mostrando sua importância e o seu valor no enfrentamento aos contínuos ataques do capital contra o trabalho. No caso dos professores, ações na Justiça, assembleias e

0 comentários

Nenhum comentário

Você pode ser o primeiro a comentar esta matéria!