Assembleia Geral aprova Orçamento e Pauta de Reivindicações para 2017

Assembleia Geral aprova Orçamento e Pauta de Reivindicações para 2017

Foi aprovada no último sábado, dia 26, a proposta de Previsão Orçamentária do Sinpro Campinas e Região para o exercício de 2017, apresentada pelo diretor tesoureiro, Herick Martin Velloso, o Piu. No próximo ano, o Sindicato vai manter suas fontes de receita inalteradas.

Pela previsão, a receita do Sindicato continuará se baseando nas mensalidades dos professores filiados, representando 30%, na arrecadação da Contribuição Assistencial, 29%, e no Imposto Sindical, que representa 22% das arrecadações. O orçamento foi previsto de forma a garantir a manutenção de toda estrutura, que inclui, além da sede do Sinpro, as Subsedes de Americana/Santa Bárbara d’Oeste, Limeira/Araras e Piracicaba, com seus funcionários, o Departamento Jurídico, com dois advogados e a Colônia de Férias de Caraguatatuba.

Contribuição Assistencial

A Contribuição Assistencial para os professores da Educação Superior será de 5%, dividida em cinco parcelas a partir da assinatura da Convenção Coletiva de 2017 pela Fepesp/Sinpros e Semesp.

Para os demais segmentos, Educação Básica e Sesi/Senai foi mantida a contribuição de 5% em parcela única a ser descontada do salário do mês de maio, pago no 5º dia útil de junho.

Outras deliberações        

A mensalidade do professor autônomo sindicalizado será reajustada em março de 2017. A contribuição irá de R$ 23,00 para R$ 25,50. Os professores mensalistas continuarão contribuindo com 1% do salário e os horistas com uma hora-aula.

As diárias da Colônia de Férias também terão reajuste. Os novos valores serão de R$ 30,50 a diária para sócios adultos e seus dependentes e de R$ 15,25 para crianças de 3 a 9 anos. Para convidados dos sócios adultos a diária será de R$ 45,75 e para crianças de 3 a 9 anos R$ 23,00.

Campanha Salarial 2017

Nesta data também foi realizada a assembleia da Campanha Salarial para 2017. Foram deliberadas as pautas de negociações do Ensino Superior, Sesi/Senai e do Senac Superior.

Quando todos os sindicatos filiados à Fepesp realizarem suas assembleias, as pautas de reivindicações serão unificadas e enviadas ao Semesp, o sindicato patronal do Ensino Superior e à Fiesp, que negocia em nome do Sesi/Senai.

A respeito da Educação Superior, a assembleia aprovou a manutenção das cláusulas da Convenção de 2016, reajuste de acordo com a média aritmética da inflação mais 50% da média, piso salarial para a categoria de R$35 a hora-aula, transparência em relação ao plano de carreira, uma cláusula contra o assédio moral e garantia da Convenção Coletiva de Trabalho por dois anos.

Com relação ao EaD, a assembleia defendeu a elaboração de cláusulas para regulamentar a situação dos tutores e garantir isonomia salarial a quem leciona em cursos presenciais e a distância.

O Senac terá a pauta de reivindicações de acordo a Convenção Coletiva de Trabalho da Educação Superior.

Para o Sesi e Senai, a assembleia decidiu por manter as cláusulas da convenção e repor a massa salarial perdida devido ao índice da negociação passada, em que o professor perdeu 20% de salário. A reposição poderá ser feita em forma de abono salarial. O reajuste (inflação mais aumento real) será o mesmo da Educação Superior, a média aritmética da inflação mais 50%.

Os professores do Sesi/Senai também exigiram abono de falta para consultas médicas e acompanhamento de filhos até 15 anos de idade e idosos, condições de trabalho adequadas, computadores em sala de aula com acesso ao wi-fi para que os professo0Trabalho por dois anos, assim como na Educação Superior.

Os professores da Educação Básica tiveram a Convenção Coletiva de Trabalho assinada por dois anos, até fevereiro de 2018, inclusive com a definição do índice de reajuste de março de 2016 com 1% de aumento real, mais a inflação e 18% de PLR.

A diretora do jurídico, Marilda Ribeiro Lemos, lembrou que as negociações das Naves Mães e conveniadas também seguem em essência o acordo do Ensino Básico, e em fevereiro as professoras serão chamadas para oficializar o Acordo Coletivo.

No dia 29 de novembro o Sinpro Campinas e região se reunirá com a Fepesp e os 26 sindicatos que a integram, para discutir as propostas recebidas nas assembleias municipais e estabelecer uma pauta unificada para todo o Estado.

Fonte: Sinpro Campinas e Região

Artigos relacionados

Notícias

PUC-Campinas abre inscrição para trabalhos para Seminário de Educação

Estão abertas as inscrições para o envio de trabalhos, nas modalidades Comunicação Oral, Pôster e Palavra de Professor/a, para o XII SEMINÁRIO DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO e o X SEMINÁRIO

Notícias

Curso Intensivo para advogados sobre Reforma Trabalhista

Se você é advogado ou estudante de Direito fique por dentro das mudanças ocorridas na legislação trabalhista brasileira através do Curso Intensivo sobre Reforma Trabalhista.  

Notícias

Governo mente mais uma vez sobre déficit da Previdência Social

JOANNE MOTA No tudo ou nada para aprovar a proposta que reforma da Previdência Social pública e acaba com a aposentadoria de milhões de brasileiros, governo desenterra discurso do déficit

0 comentários

Nenhum comentário

Você pode ser o primeiro a comentar esta matéria!