Cade veta fusão Kroton/Estácio, Fepesp distribui livro que explica o negócio da educação

Por cinco votos a um, Conselho veta monopolização do ensino superior privado no Brasil. Para entender o que motiva o interesse por meganegócios na educação, Fepesp distribui livro que explica a mercantilização das faculdades privadas nos últimos anos.

Os participantes do ‘Congresso de Jornalismo de Educação’, promovido pela Associação dos Jornalistas de Educação, a Jeduca, receberam uma contribuição especial ao debate por parte da Federação dos Professores de São Paulo – Fepesp. Ao final do primeiro dia do encontro, ontem (28), foram distribuídas cópias do livro ‘O Negócio da Educação – A aventura das universidades privadas na terra do capitalismo sem risco’.

‘O Negócio da Educação’ reúne os melhores especialistas e comentaristas sobre o tema da mercantilização do ensino superior privado no país, para compreender as mudanças estruturais que ocorrem no setor – uma discussão importante e ainda mais necessária com a tentativa de monopolização do ensino exemplificada pela proposta de aquisição da Estácio pela Kroton Educacional, vetada ontem pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica, o CADE.

Nesta terça-feira, os conselheiros do CADE votaram 5 a 1 contra a proposta de fusão, que iria criar a maior instituição de ensino superior do mundo, com cerca de seis milhões de alunos. A motivação para o negócio, como se sabe, sempre foi financeira, de redução de custos, ao invés de focar na qualidade do ensino oferecido.

O sistema que impulsionou o ensino superior foi baseado no FIES – o Fundo de Financiamento Estudantil. Hoje, 75% dos estudantes em cursos superiores estão matriculados em universidades e faculdades privadas, muitos com bolsas financiadas pelo Fundo.

“O projeto inicial era positivo”, avalia Celso Napolitano, presidente da Fepesp. Mas, “o governo deveria estabelecer o preço da vaga e não a instituição privada. Isso não aconteceu. O Estado passou a comprar vaga pelo preço de vitrine, sem negociar valor mais baixo. Adquiriu vagas no atacado, pelo preço unitário, garantindo não haver inadimplência. É um verdadeiro capitalismo sem risco, com cliente cativo e com o setor privado impondo preços”, diz.

Hoje (29), novos livros serão distribuídos aos participantes do Congresso da Jeduca. A versão eletrônica de ‘O Negócio da Educação’ pode ser acessada neste link: http://www.digitalws.com/clientes/ebook/OlhoDagua/index.html

Artigos relacionados

informativos

Entidades denunciam retirada de verbas das áreas de educação e CT&I

As entidades abaixo relacionadas, que representam comunidades acadêmicas, científicas, tecnológicas e de inovação, vêm a público denunciar a operação vergonhosa feita pelo Congresso Nacional na Lei Orçamentária Anual – LOA

informativos

O dia da infâmia

Minha geração testemunhou o que eu acreditava ter sido o episódio mais infame da história do Congresso. Na madrugada de 2 de abril de 1964, o senador Auro de Moura

informativos

Comunicado sobre o pagamento do reajuste salarial e abono

Em audiência conjunta realizada no primeiro semestre deste ano, entre a Apropucc, Sinpro Campinas e reitoria, foi solicitada pelas entidades representativas dos professores a incorporação integral de 10,57% sobre os salários

0 comentários

Nenhum comentário

Você pode ser o primeiro a comentar esta matéria!