Dobra número de professores com transtornos mentais no Brasil

Uma recente pesquisa divulgada pela Globonews afirmou que o número de professores de escolas estaduais afastados por transtornos mentais ou comportamentais quase dobrou entre 2015 e 2016. De acordo com a apuração no ano de 2015, cerca de 25.849 professores apresentaram algum tipo de problema. Em 2016 esse números chegou a 50.046. No ano de 2017, até setembro, houve 27.082 afastamentos de docentes.

Outra pesquisa realizada pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) com mais de 100 mil professores e diretores de escolas do segundo ciclo de ensino fundamental revela que o Brasil é o país que tem o maior índice de violência contra professores.

A enquete foi feita com 34 países e constatou que 12,5% dos professores brasileiros já foram vítimas de agressões verbais ou intimidação de alunos pelo menos uma vez na semana.

Outro pesquisa denominada Trabalho Docente na Educação Básica do Brasil revela que depressão, ansiedade, nervosismo e estresse são algumas das principais causas que levam ao afastamentos de professores. Em declaração a Confederação Nacional dos Trabalhadores da Educação (CNTE) afirma que a categpria sofre muito estresse devido à quantidade de alunos em sala de aula, baixa remuneração e pelas más condições de trabalho.

Artigos relacionados

Notícias

Dieese lança coleção de livros sobre greves

Em comemoração aos 60 anos do Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (DIEESE), serão lançados em dezembro de 2015 os dois primeiros volumes da coleção “Por que cruzamos os

Notícias

Caravana da Democracia chega à Unicamp

Na próxima quinta-feira (28/4), a partir das 19h, a Unicamp irá receber a Caravana da União de Estadual de Estudantes (UEE) “Aprofundar a Democracia em defesa dos nossos sonhos promovendo

Notícias

Coordenador-geral da Contee convoca trabalhadores a manter paralisação contra a reforma da Previdência

O coordenador-geral da Contee, Gilson Reis, convocou os trabalhadores da base da Confederação, professores e técnicos administrativos que atuam na educação privada, a manter a paralisação convocada para a próxima

0 comentários

Nenhum comentário

Você pode ser o primeiro a comentar esta matéria!