Professores que não receberam as férias na data correta devem procurar o Sinpro

A CLT e as Convenções Coletivas de Trabalho dos Professores determinam o pagamento do salário de férias e o adicional de 1/3 em até 48 horas antes do início das férias. Os (as) docentes que ainda não receberam o pagamento, ou receberam em outra data devem entrar em contato com o Sinpro pelo e-mail juridico@sinprocampinas@gmail.com para tomarmos as devidas providências.

O não pagamento dentro do prazo pode dar direito de receber as férias em dobro numa ação trabalhista, conforme jurisprudência do Tribunal Superior do Trabalho:

SÚMULA Nº 450. FÉRIAS. GOZO NA ÉPOCA PRÓPRIA. PAGAMENTO FORA DO PRAZO. DOBRA DEVIDA. ARTS. 137 E 145 DA CLT (conversão da Orientação Jurisprudencial nº 386 da SBDI-1) É devido o pagamento em dobro da remuneração de férias, incluído o terço constitucional, com base no art. 137 da CLT, quando, ainda que gozadas na época própria, o empregador tenha descumprido o prazo previsto no art. 145 do mesmo diploma legal.

Como devo receber o salário de férias?             

Os professores e professoras têm direito a receber as férias acrescidas de um adicional de 1/3. O salário de férias corresponde ao total da remuneração mensal, nela incluídos o DSR e todos adicionais (hora-atividade, noturno, reuniões pedagógicas, hora extra etc.). Se as horas extras variam a cada mês, o valor deve ser calculado pela média.

Fonte: Sinpro Campinas

Artigos relacionados

informativos

Seminário Nacional “Outros Outubros Virão”

Estarão em debate questões como a democracia socialista e o desenvolvimento das forças produtivas num país relativamente atrasado, além do seu importante legado aos trabalhadores, às nações e à humanidade.

informativos

“Semana Pela Paz – Intervenções Urbanas pela Cultura de Paz” tem programação extensa

A “Semana Pela Paz – Intervenções Urbanas pela Cultura de Paz – Raízes e Matrizes” vai até 24 de Setembro (domingo), em toda a Região Metropolitana de Campinas. Intervenções Urbanas

informativos

Reforma trabalhista: entenda o que muda para o trabalhador

Proposta revoga 18 pontos da CLT e prevê terceirização, flexibilização da jornada, fatiamento das férias e fim da contribuição sindical O relator da Reforma Trabalhista, deputado Rogério Marinho (PSDB-RN), apresentou

0 comentários

Nenhum comentário

Você pode ser o primeiro a comentar esta matéria!