Promotoras e procuradoras rejeitam ‘Escola sem Partido’

O Movimento Nacional de Mulheres do Ministério Público se manifestou contra a Escola sem Partido. A proposta avança em diversos municípios e também na esfera federal, onde o Projeto de Lei (PL) 7.180/14, ao qual foram apensadas outras propostas, está para ser votado em comissão especial antes de seguir para o plenário.

As promotoras e procuradoras integrantes do movimento são radicalmente contrárias ao projeto, “que a pretexto de uma falsa neutralidade, nega às alunas e aos alunos a consciência do contexto social e histórico em que estão inseridos”.

A escola brasileira, segundo elas, tem como partido a garantia constitucional do princípio da “liberdade de aprender, ensinar, pesquisar e divulgar o pensamento, a arte e o saber” e no princípio do “pluralismo de ideias e de concepções pedagógicas”.

Ainda segundo o documento, “as ideias são plurais, o conhecimento é livre e a educação não pode ser impessoal e distante porque ela forma pessoas humanas, para serem agentes de transformação social, agentes de um mundo mais justo, mais igualitário, mais livre”, afirmam, por meio do documento.

O Movimento Nacional de Mulheres do Ministério Público reúne promotoras e procuradoras que atuam no Ministério Público Federal, do Trabalho, Militar e dos estados.

Confira a nota na íntegra

Movimento Nacional de Mulheres do Ministério Público pela Escola com Partido

Nós, promotoras e procuradoras integrantes do Movimento Nacional de Mulheres do Ministério Público, somos radicalmente contrárias ao projeto da “escola sem partido”, que a pretexto de uma falsa neutralidade, nega às alunas e aos alunos a consciência do contexto social e histórico em que estão inseridos. Por sermos mulheres, precisamos nos posicionar, tomar partido, demonstrar o nosso lugar de fala, de lutas históricas pela igualdade de direitos, pelo fim das violências, física, psicológica e simbólica que vitimam tantas mulheres.

As ideias são plurais, o conhecimento é livre e a educação não pode ser impessoal e distante porque ela forma pessoas humanas, para serem agentes de transformação social, agentes de um mundo mais justo, mais igualitário, mais livre.

O conhecimento precisa ser vivido, estar no universo sensitivo, das experiências, não pode ser uma abstração. É pelo processo de conhecimento que homens e mulheres têm a oportunidade de reagir ao machismo, à sociedade patriarcal e misógina, que menospreza a mulher. É no contexto da sociedade em que vivemos, que nascem os questionamentos e são impulsionadas as mudanças, de pensamento e de posturas.

É pela educação que nos indignamos com o preconceito, com as desigualdades sociais. Não aceitamos a realidade que mata as mulheres, que as violenta, que as discrimina. Por isso não aceitamos uma escola sem partido, neutra, que não provoque mudanças. A educação tem partido, partido da igualdade, da liberdade, do pluralismo e da democracia. Não é o partido político. É o partido de fazer escolhas, de questionar e de buscar mudanças, conhecendo e criticando os fenômenos sociais.

Não podemos imaginar uma escola que não conscientize sobre as desigualdades que sofremos na história, sobre o assédio, moral, sexual, sobre a violência doméstica, sobre a divisão sexual do trabalho. Queremos cidadania e dignidade para todas as mulheres! Queremos uma educação libertadora!

Nossa escola tem partido: o das meninas e das mulheres brasileiras, que precisam de uma educação transformadora e digna, porque sonham viver em paz, conquistar espaços e serem autoras e donas de suas vidas!

Nossa escola tem partido, garantida na Carta Constitucional de 1988, em seu art. 206, em especial no princípio da “liberdade de aprender, ensinar, pesquisar e divulgar o pensamento, a arte e o saber” e no princípio do “pluralismo de ideias e de concepções pedagógicas”.

Fundamenta-se nossa escola com partido na Agenda 2030 da Organização das Nações Unidas, que estabelece “o combate às desigualdades, a construção de sociedades justas e inclusivas, a proteção aos direitos humanos; a promoção da igualdade de gênero e o empoderamento das mulheres e das meninas.” Não poderemos promover a igualdade de gênero e nem empoderar mulheres e meninas com uma educação neutra, sem partido.

A escola que tem partido é a que nos representa como integrantes de um Ministério Público (art. 127 da CF) defensor da democracia, da igualdade de direitos entre homens e mulheres e dos direitos humanos de todas nós, mulheres, e de todas as meninas deste nosso país, pelas quais lutamos, incansavelmente, e que são a razão de existir deste nosso movimento.

Precisamos que as escolas eduquem para a igualdade de gênero, para o respeito e a liberdade entre homens e mulheres. E é por tudo que lutamos e no que acreditamos, por reafirmação de direitos e por igualdade de gênero, que rejeitamos a “Escola sem Partido”.

Da Rede Brasil Atual

Artigos relacionados

Notícias

Campinas tem ato em defesa da Previdência Pública

As centrais sindicais estão ultimando os preparativos para o Dia Nacional de Luta e Paralisações contra a PEC 06/2019, que altera as regras da Previdência Social, dificultando ainda mais a

Notícias

Anamatra defende autonomia dos juízes e dignidade da Justiça do Trabalho

A Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho divulgou segunda (30) Nota que defende a atuação da magistratura trabalhista, bem como sua autonomia técnica. A Nota, assinada pelo presidente

Notícias

Cineclube Outubro: JANGO – Como, Quando e Porque se depõe um presidente?

Esse ano comemoramos 100 anos do nascimento de João Goulart, conhecido como Jango, um dos presidentes brasileiros que mais trabalhou em favor dos interesses do povo, deposto pelo golpe militar de

0 comentários

Nenhum comentário

Você pode ser o primeiro a comentar esta matéria!