MPT define regras para trabalho remoto no setor privado de educação

O Ministério Público do Trabalho (MPT) divulgou ontem (23) uma nota técnica com diretrizes a serem adotadas por instituições de ensino para garantir os direitos de professores que trabalham por meio de plataformas virtuais e/ou em home office durante a pandemia da Covid-19. O documento é fruto de uma série de quatro reuniões, realizadas nos meses de março e abril, entre o MPT, a Contee e entidades patronais, nas quais foram discutidas justamente as questões referentes aos trabalhadores em educação no setor privado e suas relações de trabalho durante este período.

Entre as 26 medidas que o MPT solicita que as instituições de ensino adotem está a regulação da prestação de serviços por meio de plataformas virtuais, “preferencialmente por meio de negociação coletiva, acordo coletivo, e por contrato de trabalho aditivo por escrito, com prazo determinado, tratando de forma específica sobre a responsabilidade pela aquisição, manutenção ou fornecimento dos equipamentos tecnológicos e da infraestrutura do trabalho remoto, bem como o reembolso de eventuais despesas a cargo da(o) empregada(o), nos termos do art. 75-D da CLT, e demais aspectos contratuais pertinentes à prestação de serviços por meio de plataformas virtuais, trabalho remoto e/ou em home office”.

Outra medida é que as escolas privadas devem observar, em relação à jornada contratual das(os) trabalhadoras(es), “a adequação das atividades pedagógicas na modalidade de teletrabalho e em plataformas virtuais, considerando tanto as atividades realizadas pelo meio digital, quanto o período de capacitação, adaptação ao novo modelo de trabalho, prévio de preparação do material a ser utilizado e posterior de orientação e avaliação do aluno, de modo a não permitir jornadas de trabalho excessivas, que sobrecarreguem os profissionais, acarretando-lhes desgastes físicos e mentais”.

O documento orienta ainda que as empresas devem garantir “a irredutibilidade salarial das(os) professoras(es)” e, na hipótese de aulas gravadas, assegurar “no mínimo remuneração equivalente àquela das aulas presenciais, observando-se a proporção de horas-aula e cada reprodução por turmas da(o) docente, na mesma proporção das aulas presenciais”. O MPT esclarece que a redução da jornada de trabalho ou a suspensão do contrato de trabalho somente podem ocorrer se houver de fato a redução da carga horária de trabalho conforme consta na Medida Provisória 936/2020. Além disso, o documento estabelece que seja também garantido “o respeito ao direito de imagem e direito à privacidade do corpo docente”.

Acesse aqui a íntegra da nota técnica do MPT

Fonte: Contee

Artigos relacionados

informativos

Campanha Salarial 2016: sábado (30) tem assembleia do Ensino Superior

A Campanha Salarial de 2016 entra em uma semana decisiva. A Fepesp e os Sindicatos decidiram marcar a data da assembleia dos professores da Educação Básica, das escolas conveniadas à

informativos

Sinpro Campinas promove cine debate do documentário “Menino 23”

O Sinpro de Campinas convida a categoria para participar da exibição e debate do documentário “Menino 23”. O evento acontece no próximo sábado (25), às 10h, na sede do sindicato. O filme, ganhador

informativos

Brasil caminha na contramão do cumprimento dos objetivos da ONU

Neste mês (11), cerca de 40 entidades da sociedade civil, integrantes do Grupo de Trabalho da Sociedade Civil para Agenda 2030, divulgaram o Relatório Luz 2018. A publicação traz os

0 comentários

Nenhum comentário

Você pode ser o primeiro a comentar esta matéria!