Centrais sindicais elaboram Cartilha Cidadã contra o assédio político-eleitoral

Centrais sindicais elaboram Cartilha Cidadã contra o assédio político-eleitoral

As centrais sindicais CTB, CUT, Força Sindical, CSB, UGT e NCST elaboraram uma Cartilha Cidadã para as eleições de 2022 com orientações para combater o assédio político por parte dos patrões e garantir o voto livre e sem amarras dos trabalhadores e trabalhadoras.

Há duas semanas, os representantes das centrais se reuniram com o Ministério Público do Trabalho (MPT) em Brasília (DF) para firmar compromisso na ampliação do combate à práticas ilegais pelos empregadores nos ambientes de trabalho. Na ocasião, os dirigentes entregaram a Cartilha ao procurador-geral do Trabalho.

O documento de 14 páginas traz orientações aos eleitores “neste difícil momento da política brasileira, em que os ânimos estão acirrados, ameaças surgem de vários pontos, os discursos de violência, ódio e golpe de Estado sobem aos palanques e algumas empresas, seus proprietários e seus gerentes estão adotando ameaças de demissão ou coagindo seus subordinados a optar por uma via específica de candidatura, a indicada por esses patrões.”

Dentro desse escopo, ele esclarece sobre o significado do assédio político ou eleitoral, as práticas mais comuns de assédio e retaliação cometidas nos locais de trabalho, como comprová-lo e como e para onde o trabalhador pode encaminhar as denúncias. Além disso, ele traz respaldo da Constituição Federal, do Código Eleitoral, da Convenção Americana sobre Direitos Humanos e da Organização Internacional do Trabalho (OIT).

Confira a íntegra da Cartilha Cidadã clicando aqui.

Fonte: CTB

Artigos relacionados

Notícias

PUC-Campinas abre inscrição para trabalhos para Seminário de Educação

Estão abertas as inscrições para o envio de trabalhos, nas modalidades Comunicação Oral, Pôster e Palavra de Professor/a, para o XII SEMINÁRIO DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO e o X SEMINÁRIO

Notícias

Apropucc solidariza-se com a professora que sofre ação truculenta da PM

A Apropucc vem solidarizar-se com a professora Camila Marques, docente do Instituto Federal de Goiás (IFG), e manifestar-se com indignação frente à ação de violência, abuso de autoridade e arbitrariedade

Notícias Gerais 0 comentários

Entrevista com o professor Augusto César Petta, ex-presidente da Contee

No mês passado, o Centro Nacional de Estudos Sindicais e do Trabalho (CES), criado em 1985. Completou três décadas de atuação e acompanhamento da evolução da luta dos trabalhadores, dos

0 comentários

Nenhum comentário

Você pode ser o primeiro a comentar esta matéria!