Apropucc e Sinpro são contrários às mudanças na carga horária dos professores

Apropucc e Sinpro são contrários às mudanças na carga horária dos professores

A diretoria da Apropucc e do Sinpro Campinas e Região estiveram reunidos com a reitoria da PUC-Campinas nesta segunda-feira, dia 19, para obter esclarecimentos sobre as alterações da atribuição de aulas e carga horária de parte dos professores a partir do próximo ano letivo. O Sinpro e a Apropucc deixaram claro durante a audiência que não concordam com a redução dos salários, com eventuais demissões e vão defender e orientar os professores para que tenham seus direitos garantidos.

Segundo a Instituição, há a necessidade de se adequar à lei (artigo 66 da CLT) e respeitar o período de descanso de no mínimo 11 horas entre uma jornada de trabalho e outra, o que deve implicar em adequações nos horários de professores que lecionam no período noturno e logo na manhã seguinte. Como os professores estão na fase do ano em que devem fazer a revalidação do horário para 2016, a Universidade entende que este é o momento ideal para se adequar à lei.

Durante a audiência a PUC informou que quando não houver uma forma de acomodar os horários, e o professor PSI, tiver que se afastar temporariamente das aulas, deverá solicitar excepcionalidade para não perder o vínculo com a disciplina, podendo retomar as aulas no próximo processo de escolha.

O Sinpro e a Apropucc advertem para que os professores estudem o significado da mudança que for proposta, avaliem sua própria carga horária e o impacto que pode trazer do ponto de vista financeiro e sobre outras atividades que exerçam fora da Universidade.

“Os professores nos procuraram na semana passada para denunciar e pedimos a audiência com a Reitoria para entender a mudança. Trata-se de uma medida legal à qual o Sindicato não pode se opor. Mas entendemos que é uma grande mudança, que mexe com a vida dos professores e estamos atentos para coibir eventuais prejuízos”, disse Marilda Ribeiro Lemos, diretora do Departamento Jurídico do Sinpro.

A orientação do Sinpro e da Apropucc é para que os professores estudem com cuidado as propostas da direção de curso, avaliem onde é possível reorganizar e que em caso de perda de aulas e salário, busquem as instâncias imediatas, como diretor do curso, até o pró-reitor acadêmico. Em caso de dúvida, recorram ao Sinpro e à Apropucc. Caso ocorra conflito de horário, os diretores deverão acertar o horário do professor de modo a não haver redução de carga horária.

Independentemente destas orientações, o Sinpro observará as repercussões práticas das alterações que serão levadas a efeito e, se constatados prejuízos, como por exemplo redução de carga horária e salário, estudará medidas coletivas para responder à atitude patronal.

Artigos relacionados

Notícias

Em defesa do educador Paulo Freire

O legado de Paulo Freire está sendo contestado por grupos conservadores que, através de proposta ao Senado Federal, desejam retirar do nosso maior educador o título de Patrono da Educação

Notícias

Apropucc apresentará palestra sobre Reforma da Previdência na 47ª Semana de Psicologia da PUC-Campinas

Nesta segunda-feira (18) será aberta a 47ª Semana de Estudos da Faculdade de Psicologia da PUC-Campinas. Para aprofundar o debate sobre o impacto da Reforma Previdenciária no desenvolvimento de uma

Notícias

Terceirização precarizará condições de trabalho dos professores

Projeto representa uma ameaça real aos direitos adquiridos pela categoria, como semestralidade, bolsa de estudos e hora atividade A terceirização irrestrita, aprovada pela Câmara dos Deputados no dia 22 de

0 comentários

Nenhum comentário

Você pode ser o primeiro a comentar esta matéria!