Assédio Moral: evento debateu práticas abusivas nas relações de trabalho

Assédio Moral: evento debateu práticas abusivas nas relações de trabalho

Nesta quarta (25), o auditório do Centro de Convenções se encheu com servidores, docentes e gestores durante o Fórum “Refletir”, organizado pela CGU (Coordenadoria Geral da Universidade) e com a participação da DGRH (Diretoria Geral de Recursos Humanos), STU (Sindicato dos Trabalhadores da Universidade) e a Adunicamp (Associação de Docentes).

O objetivo do evento, segundo o organizador, Prof. Dr. José Marcos da Cunha, é “oferecer um espaço para que todos da Unicamp [servidores, docentes e alunos] possam se informar e debater sobre questões relacionadas à vivência no campus.” Ou seja, trazer à tona assuntos que envolvam a comunidade da Unicamp.

Mesa de abertura

O primeiro bloco do enconto, a abertura oficial, consistiu em uma rápida introdução ao tema, realizada pelo Coordenador Geral Prof. Dr. Alvaro Crósta, que também parabenizou a organização do Fórum por abordar um tema tão delicado.

Na mesa também estavam presentes a Coordenadora da DGRH Maria Aparecida Quina de Souza, Elisabeth Cardozo, da Coordenação de Secretaria do STU, e o Presidente da Adunicamp, Prof. Dr. Paulo Cesar Centoducatte. Estava prevista a presença de um representante do DCE (Diretório Central dos Estudantes), que não pôde comparecer ao evento.

Os integrantes da mesa dedicaram-se ao recorte temático “O assédio moral na visão dos atores da Unicamp”, de forma que cada um apresentou ao público como seus respectivos Órgãos lidam com a incidência de assédio moral.

Em sua fala, Cidinha Quina explicou para o público de que forma a DGRH lida com essas ocorrências e quais mecanismos são utilizados para resolver o problema, explicando o fluxo do processo e explorando as diversas possibilidades existentes no meio do caminho.

A Coordenadora enfatizou que a DGRH é o Órgão responsável por lidar com o problema (quando diz respeito aos servidores) e, em seguida, comentou sobre as estatísticas relacionadas ao assédio moral na Unicamp. Até o momento, a DGRH recebeu 17 denúncias, das quais 7 estão próximas de serem concluídas, 3 estão em fase de mediação e 7 estão em processo. Além disso, comentou sobre a audiência pública realizada no HC neste ano envolvendo a questão e expôs o TAC (Termo de Ajuste de Conduta) nº 303.2015, firmado em setembro entre a Unicamp e o Ministério Público, o que reforçou o cumprimento da legislação trabalhista a respeito do problema.

Por fim, Cidinha chamou atenção ao fato de que todo o material envolvendo o tema pode ser encontrado no Portal DGRH, mostrando sua interface ao público.

Palestra principal

Professor Roberto Heloane (FE)

Professor Roberto Heloani (FE)

O tema foi explorado de forma mais ampla e profunda durante a palestra “Assédio Moral: A Unicamp não pode conviver com isso”, ministrada por Roberto Heloani, doutor em psicologia e docente da Faculdade de Educação da Unicamp, que possui longo histórico de pesquisas e projetos relacionados ao problema.

Para começar a tratar do assunto, o professor traçou um breve histórico do assédio moral no Brasil, envolvendo as últimas duas décadas (período no qual se dedicou a tratar do tema). De acordo com Heloani, o assédio moral se modificou muito nos últimos 17 anos, ficando cada vez mais complexo.

Além disso, o palestrante tomou o cuidado de conceituar, com propriedade, o que é o assédio moral em si. Segundo ele, é comum o indivíduo prestar queixa alegando assédio moral quando, na verdade, trata-se de dano moral ou discriminação. A palestra também enfatizou que, por mais que o assédio moral seja um problema presente em todos os setores da sociedade, é na educação – especialmente no ambiente universitário – que se observa o maior crescimento de ocorrências, principalmente do chamado assédio moral “horizontal” (entre colegas de trabalho). Com isso, as consequências têm se tornado cada vez mais graves.

Para ele, esse tipo de assédio é, entre outras coisas, consequência da atual forma de se organizar o trabalho (seja onde for), que preza a impessoalidade e resultados que possam ser contabilizados e tragam lucro para a instituição. Tal forma engloba, por exemplo, o estabelecimento de metas absurdas. Tudo isso se torna um terreno fértil para humilhação e, claro, assédio moral, em casos de descumprimento de metas ou desempenho ruim.

Esse raciocínio levou o professor a um dos principais pontos de sua palestra: o assédio moral, ao contrário do que se pensa (e é imposto pelas organizações), é uma questão que envolve o coletivo. Além disso, apontou que o assédio moral pode ser considerado como “a ponta do iceberg”, já que, em uma análise profunda sobre os casos, pode levar a constatação de autoritarismo, corrupção etc.

A principal crítica realizada pelo professor da FE foi direcionada à banalização, na sociedade de forma geral, da cultura do desrespeito, o que levou a uma naturalização do assédio moral. Segundo Heloani, é preciso que sejamos “intolerantes com esse tipo de tolerância” e que passemos a utilizar materiais como a Instrução Normativa DGRH nº 003/2015 e canais como a Ouvidoria da Unicamp que estão à nossa disposição. “O compromisso não deve ser apenas formal, como procurar cumprir todos os termos presentes no TAC, mas principalmente conosco. Só assim será possível fazer com que o assédio moral seja visto como aberração”, coloca Roberto Heloane.

Debate

Após a palestra principal e o coffee break, o público pôde fazer perguntas, iniciando um debate sobre questões relacionadas ao tema. A natureza das perguntas foi variada. Algumas chamaram a atenção para contextos específicos e outras para pontos apresentados na palestra.

O encontro foi mais uma oportunidade de debater esse tema tão importante para a sociedade, e refletir sobre como a Unicamp está tratando dessa delicada questão.

Para saber mais: Matéria sobre o evento no portal da Unicamp / Matéria sobre assédio moral no portal da DGRH / Apresentação da DGRH: Práticas abusivas nas relações de trabalho

Fonte: Matéria publicada no Portal DGRH da Unicamp,  em 26/11/15) / Imagem: Antonio Scarpinetti

Artigos relacionados

Notícias

8ª Semana da Educação de Campinas

Pensar em caminhos possíveis na busca de uma educação de qualidade para todos. Esta é a reflexão que a 8ª Semana da Educação de Campinas pretende despertar com uma programação

Notícias

Sinpro Campinas propõe discussão sobre sustentação financeira para 2018

O Sinpro (Sindicato dos Professores) de Campinas e Região realiza neste sábado (25), às 8h30, sua Assembleia Ordinária de Previsão Orçamentária para 2018. Com o fim da Contribuição Sindical, queda

Notícias

Em paralelo à Cúpula dos Brics, Brasil receberá o “Brics dos Povos” em novembro

Movimentos populares, sindicatos e partidos debatem questões comuns entre Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul Movimentos populares, sindicatos e partidos políticos dos países que formam o Brics – grupo

0 comentários

Nenhum comentário

Você pode ser o primeiro a comentar esta matéria!