Especial Mulher: cartilha “A Origem Socialista do Dia da Mulher”

Especial Mulher: cartilha “A Origem Socialista do Dia da Mulher”

No ano passado o NPC (Núcleo Piratininga de Comunicação) lançou a oitava edição da cartilha “A Origem Socialista do Dia da Mulher”, para marcar o Dia Internacional da Mulher.

Mesmo com o passar do tempo, o conteúdo do material continua bastante atual, didático e repleto de ilustrações do cartunista Carlos Latuff.

O material questiona a versão de que o 8 de março teria começado a partir de uma greve ocorrida em 1857 em Nova Iorque, quando teriam morrido 129 operárias queimadas vivas. A obra lembra que, ao contrário do que foi intensamente divulgado, o Dia Internacional da Mulher tem uma origem socialista, que remonta ao início do século 20. Inclusive o 8 de março foi fixado a partir de uma greve iniciada no dia 23 de fevereiro (calendário russo) de 1917, na Rússia. Uma manifestação organizada por tecelãs e costureiras de Petrogrado foi o estopim da primeira fase da Revolução Russa. Como escreveu Alexandra Kollontai, membro do Comitê Central do Partido Operário Social Democrata Russo, “nesse dia as mulheres russas levantaram a tocha da revolução”.

A cartilha ““A Origem Socialista do Dia da Mulher” explica a história desta data, que precisa continuar sendo lembrada com sua força revolucionária e transformadora.

Boa leitura!

Fonte: Núcleo Piratininga de Comunicação

Artigos relacionados

Notícias

Rabeca Cultural: Diálogos sobre a Formação do Estado e da Nação Brasileira

A Rabeca Cultural convida para a videoconferência do Projeto Revisitando o Brasil com a professora Dra. Ana Rosa Cloclet da Silva, da Faculdade de História da PUC-Campinas. Com o título “Decifrando o

Notícias

A Carteira do cidadão de segunda classe

Ou: como se declarar escravo com uma carteira de trabalho fajuta por Ricardo Paoletti (*) Muitos, mas nem todos, conhecem a cor da carteira de trabalho, que registra o seu emprego

Notícias

Projeto “Escola sem Partido” volta à Câmara de Campinas

Após 9 meses parado, o projeto “Escola sem Partido”, PLO 213/2017, do vereador Tenente Santini, volta para ser votado na Câmara Municipal de Campinas. O projeto pretende eliminar a discussão

0 comentários

Nenhum comentário

Você pode ser o primeiro a comentar esta matéria!