Presidente do TST pede censura de juízes contrários à reforma trabalhista

A descabida perseguição política e ataque à liberdade de expressão feita pelo presidente do TST, Ives Gandra Filho, contra os juízes Jorge Luiz Souto Maior e Valdete Souto Severo pelo posicionamento firme contra a Reforma Trabalhista é veemente repudiado pela diretoria da Apropucc e deve ser combatido pela classe trabalhadora, principal prejudicada por essas propostas de ajustes.

Confira a matéria do Esquerda Diário explicando o caso.

Presidente do TST pede censura de juízes contrários à reforma trabalhista

Ministro Ives Gandra Filho apresentou reclamações disciplinares contra os juízes do trabalho Jorge Luiz Souto Maior e Valdete Souto Severo, postulando a aplicação de censura a ambos, em virtude de suas opiniões manifestadas em artigo na internet.

O presidente do Tribunal Superior do Trabalho, Ives Gandra Martins Filho, apresentou ao CNJ reclamações disciplinares postulando a aplicação de censura os juízes do trabalho Jorge Luiz Souto Maior e Valdete Souto Severo, pela opiniões que expressaram no artigo “Mais uma do Ives: rifando Direitos Fundamentais e a Justiça do Trabalho”.

Ives Gandra ficou conhecido por defender em um artigo sobre direitos fundamentais que a mulher deve obediência ao marido, que o divórcio vai contra a lei natural, e que o casamento entre pessoas do mesmo sexo seria uma “impossibilidade natural, assim como entre uma mulher e seu cachorro”. Mas ultimamente tem chamado mais atenção pela defesa pública da reforma trabalhista, da flexibilização das leis trabalhistas, do negociado sobre o legislado, da terceirização sem limites, com o argumento de que “a justiça trabalhista precisa ser menos paternalista para tirar o país da crise”. Recentemente, Ives argumentou que a justiça não deveria determinar valores altos para indenizações por danos morais a trabalhadores que sofram acidentes de trabalho, por que diante disso os trabalhadores iriam se automutilar (e ainda citando como exemplo o dedo minimo da mão esquerda)! Tal o grau de reacionarismo descarado de Ives Gandra, que recorrentemente tem suas declarações desautorizadas até mesmo pelo próprio TST que preside.

Os juízes Jorge Luiz Souto Maior e Valdete Souto Severo têm se pronunciado sistematicamente contra o PL da reforma trabalhista, assim como contra o avanço da terceirização e a flexibilização dos direitos trabalhistas de modo geral. É por isso que o presidente do TST busca censura-los, querendo com isso dar um exemplo à ampla parcela de juristas da Justiça do Trabalho que se posicionam contra a reforma. E isso ao custo de um ataque descarado à liberdade de expressão.

As reclamações foram encaminhadas pelo CNJ às Corregedorias Regionais das 4a e 15a Regiões. O corregedor da 4a região arquivou a reclamação, em nome das liberdades de pensamento e opinião. No entanto, no último 30 de maio, o Corregedor Nacional de Justiça desconsiderou essa decisão, e instaurou as reclamações disciplinares contra os juízes.

A comunidade jurídica já começou a se pronunciar contra tal arbitrariedade, e em defesa de Jorge Luiz Souto Maior e Valdete Souto Severo, bem como da liberdade de expressão. Veja nota divulgada pela Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra) – ao lado da Associação dos Magistrados da Justiça do Trabalho da 4ª Região (Amatra IV), da Associação dos Magistrados da Justiça do Trabalho da 6ª Região (Amatra VI) e da Associação dos Magistrados da Justiça do Trabalho da 15ª
Região (Amatra XV) -, e logo abaixo as notas divulgadas pela Associação Latino-Americana dos Juízes do Trabalho e pelo Congresso Internacional do Direito, Trabalho e Tecnologia, realizado pela OAB/MG e pela AMAT.

Nós do Esquerda Diário também nos pronunciamos veementemente contra essa medida arbitrária, em defesa da liberdade de pensamento e manifestação da opinião, e se solidariza com Jorge Luiz Souto Maior e Valdete Souto Severo, por sua trajetória em defesa dos direitos dos trabalhadores, e mais ainda porque, junto com eles, o presidente do TST ataca liberdades democráticas elementares, mirando os próprios direitos dos trabalhadores.

Fonte: Esquerda Diário

Artigos relacionados

Notícias

Entidades divulgam Manifesto em Defesa da Escola Democrática

Entidades divulgam manifesto em defesa da escola democrática que faz uma dura crítica ao projeto de lei que pretende criminalizar a prática docente e transformar o espaço escolar num campo do

Notícias

Candidatos a vereador do PSD, PSOL, PDT, PHS, PRB participaram de sabatina

A primeira sabatina com candidatos à Câmara Municipal de Campinas aconteceu segunda-feira (19) e contou com a presença de cinco candidatos que apresentaram suas ideias sobre o tema “O Legislativo

Notícias

Cineclube Outubro do MIS apresenta Rosa de Luxemburgo

O Cineclube Outubro do MIS (Museu da Imagem e do Som) apresenta o filme “Rosa Luxemburgo”. Será quarta-feira (7), às 19h30, no MIS (Rua Regente Feijó, 859, Centro de Campinas).

0 comentários

Nenhum comentário

Você pode ser o primeiro a comentar esta matéria!