Nota de Solidariedade aos Professores Demitidos e de Repúdio ao Desmonte da Educação

A diretoria Apropucc recebeu com indignação o anúncio divulgado pela mídia da demissão coletiva de professores do ensino privado e decidiu expressar solidariedade aos professores demitidos e repúdio ao desmonte da educação. Confira abaixo o documento:

nota_apropucc

NOTA DE SOLIDARIEDADE AOS PROFESSORES DEMITIDOS E DE REPÚDIO AO DESMONTE DA EDUCAÇÃO

 

Nos últimos dias recebemos com surpresa e apreensão notícias de demissão coletiva de professores de várias instituições de ensino, sobretudo do setor universitário e privado.

Ao receber com indignação essas notícias, a diretoria da Apropucc vem a público prestar solidariedade aos professores demitidos e repudiar, de forma veemente, a concepção mercadológica por trás das medidas tomadas por tais instituições de ensino que, aproveitando-se do desmonte de direitos gerado pela Reforma Trabalhista – em vigor há mais de um mês – não apenas tornam o trabalho docente precário, mas aderem a um projeto de demolição da própria Educação como concebida em nossa Constituição Federal.

A Apropucc entende que o que ocorre no Brasil não é apenas uma crise financeira que obriga as instituições a demitirem para salvar suas finanças. Trata-se do projeto neoliberal selvagem sendo implantado no país, projeto que requer a privatização do setor público, o Estado mínimo, a recolonização do país no campo da economia e o enfraquecimento da classe trabalhadora. Daí a aprovação da PEC 55, que congela por 20 anos os investimentos na educação, saúde e serviço público, a ampliação irrestrita da terceirização, as reformas do Ensino Médio e a lei da mordaça, a trabalhista e a da previdência, a perda de soberania pela entrega de nossas riquezas e empresas estratégicas ao controle estrangeiro, todas medidas encampadas pelo atual governo.

Enquanto cresce o número de juízes do trabalho que veem com suspeita a Reforma Trabalhista, seja pela inconstitucionalidade de muitos de seus artigos ou por sua insegurança jurídica, vemos aumentarem os ataques à educação e aos professores de forma veloz e de grande proporção para garantir um cenário favorável ao lucro do mercado educacional, aplicando para isso, de forma massiva, a terceirização e a pejotização, tratando o setor como negócio e, até mesmo, criando condições favoráveis para a venda dessas instituições a investidores estrangeiros.

Esse projeto em curso, de forma coerente, faz do desmonte da Educação um campo fértil para enfraquecer o povo e apaziguá-lo diante da perda de direitos e das alterações no mundo do trabalho e da economia, jogando a conta da crise por ele gerada nas costas da classe trabalhadora e favorecendo o rentismo e o capital estrangeiro.

Observamos que não é por acaso que, em algumas instituições de renome na esfera da pesquisa e de sua produção acadêmica, tenham tomado medidas de fechar cursos bem conceituados e demitido os docentes que se destacam como progressistas e defensores da democracia no mundo acadêmico ou nas lutas sociais.

A Apropucc, fiel à sua trajetória de lutas pelos direitos dos professores e pela Educação democrática e acessível a todos, manifesta sua solidariedade a todos os professores demitidos e aos sindicatos de professores do país inteiro que estão resistindo a esse desmonte. Esperamos que a população não aceite esse perverso projeto, que as instituições idôneas não se rendam ao fácil caminho neoliberal e busquem formas criativas de garantir a excelência na Educação e o compromisso ético com a comunidade interna e o país.

Campinas, 18 de Dezembro de 2017.

Apropucc

Associação dos Professores da PUC-Campinas

Artigos relacionados

informativos

Nota da Apropucc: Dia Nacional de Paralisação e Luta

Amanhã (11) haverá manifestações e paralisações em todo o Brasil contra a PEC 241 (que tramita como PEC 55 no Senado) e contra todos os ataques à classe trabalhadora impetrados

informativos

Técnicos do Ipea apontam risco de crescimento das ações trabalhistas com reforma

Técnicos do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) apontam que, se as instâncias de representação dos trabalhadores não forem fortalecidas, a reforma trabalhista não só prejudicará os trabalhadores como poderá

informativos

Sábado, 25 de março, é dia de assembleia da Campanha Salarial

O Sinpro Campinas e Região convoca os professores da Educação Superior, do Sesi, Senai, das Naves-Mães e de seis entidades conveniadas da Prefeitura (que assinaram acordo coletivo com o Sinpro

0 comentários

Nenhum comentário

Você pode ser o primeiro a comentar esta matéria!