‘Precariado’ tende a se alastrar no Brasil como nunca antes, diz sociólogo

A emergência de novos tipos de relações de trabalho, em que limites de jornada são mais flexíveis e o rendimento, variável, é uma tendência “deletéria” para a população, avalia o sociólogo Ruy Braga, professor da Universidade de São Paulo.

Segundo ele, essa tendência, reforçada pela reforma trabalhista, tende a atingir outros setores da economia, onde se encontra a classe média, como a educação.

Ele tem pesquisado o que chama de “precariado”: uma parcela crescente dos trabalhadores que se engaja em relações de trabalho precarizadas, como empregos de alta rotatividade e instabilidade. “A Rebeldia do Precariado” (2017) e “A Política do Precariado” (2012) são algumas de suas obras.

Leia abaixo trecho da entrevista, concedida a Fernanda Perrin, na Folha de S. Paulo


Folha – O aumento da flexibilidade do emprego parece gerar uma tensão entre ganho de autonomia e perda de estabilidade. Como isso deve afetar o trabalhador?

Ruy Braga – O código de trabalho é uma espécie de armistício entre as partes, porque você define ali os limites de consumo de uma mercadoria muito especial, que é o seu trabalho. Se você não tem esses limites, você vai ter uma situação explosiva no país. Do ponto de vista do trabalhador é bom ter limites, mas como ocorre agora com a nova CLT o que você vai ter vai ser esse modelo: o garçom entra às 7h, faz uma jornada na parte da manhã, fica a tarde sem fazer nada e depois volta à noite para terminar.

Como regular a chamada “gig economy”, ligada a plataformas online, que ao mesmo tempo em que gera empregos, não garante cobertura trabalhista?

O exemplo típico [da gig economy] é o Uber, é o que talvez melhor expresse essas novas tendências na economia de compartilhamento. Em Londres e São Francisco hoje existe uma legislação específica para regular o trabalho do motorista de Uber. A mesma discussão está sendo levada adiante em Nova York. São cidades de países desenvolvidos com economias bastante modernas, que já começaram a rever essa liberdade total que é você ter um trabalhador que é dependente de uma empresa multinacional do setor de tecnologia, mas que na aparência ele está trabalhando para si próprio. Isso é uma falácia, porque ele depende dessa empresa.

A questão é como proteger o trabalhador dessas tendências que são deletérias. De fato, a tecnologia permite que você trabalhe 24 horas por dia. Mas isso é aceitável socialmente, é desejável? Esse é o problema que vivemos. É claro que a tecnologia permite várias coisas, a questão é o que vamos fazer como sociedade com esses horizontes. Precisamos definir o que é aceitável ou não.

A reforma trabalhista buscou adaptar uma legislação dos anos 1940 às novas tendências econômicas. Ela foi bem sucedida?

É uma falácia dizer que a CLT é dos anos 1940. Um estudo muito minucioso feito pela USP demonstrou que dos mais de cem artigos alterados, nenhum deles datava da década de 1940. A CLT foi passando ao longo das décadas por constantes revisões e alterações. O que a reforma fez foi uma desestruturação daquilo que estava mais ou menos pacificado no direito com aumento da insegurança jurídica, porque eles alteraram tanto a CLT em itens tão importantes, que isso entra em contradição até com a Constituição. Isso vai criar uma série de disputas, o que não é bom para o trabalhador e nem para o empregador.

O que você chama de “precariado”, hoje ainda mais ou menos restrito à base da pirâmide do mercado de trabalho, tende a se alastrar para as outras ocupações?

Não tenho dúvida. Basta você ver a questão da ‘pejotização’. Até recentemente, você tinha duas grandes tendências de precarização: o trabalho subalterno, que ganha até 1,5 salário mínimo, exercido por famílias de baixa renda vivendo em bairros mais periféricos, e a outra é o PJ [pessoa jurídica], exercido por setores profissionais, pessoas que foram para a universidade, que falam várias línguas e são qualificadas. Hoje ele tende a se alastrar como nunca antes.

Essa multiplicação aponta para uma tendência de polarização nesses setores profissionais onde você encontra as classes médias: publicidade, jornalismo, arquitetura, professores universitários. Você também tem isso na área de saúde, como no caso de enfermeiros e psicólogos. A tendência de ‘pejotização’ afasta essas pessoas da aposentadoria, dos direitos trabalhistas e sociais em benefício de uma renda insegura e jornadas muito longas.

Fonte: Contee

Artigos relacionados

Notícias

10º Congresso Internacional de Educação Superior

Havana será a sede da décima edição do Congresso Internacional de Educação Superior – Universidade 2016. Com o slogan Universidade inovadora para o desenvolvimento humano sustentável, o evento irá acontecer

Notícias 0 comentários

Carta Resumida – Encontro Neoliberalismo e Trabalho Docente: Reflexões e Formas de Enfrentamento

Docentes, dirigentes de sindicatos e estudiosos de oito estados brasileiros se reuniram em outubro do ano passado, no Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo com objetivo de discutir

Notícias

9º Congresso do Sinpro Campinas – Reformas, Resistência e Valorização dos Professores

O Sinpro Campinas e Região realiza seu 9º Congresso nos dias 2 e 3 de junho, no Hotel Vila Rica, em Campinas. Entre os principais objetivos do encontro está o

0 comentários

Nenhum comentário

Você pode ser o primeiro a comentar esta matéria!