Assembleia vai discutir a contribuição sindical e a resistência à reforma trabalhista

Querem destruir seu Sindicato e junto com ele os seus direitos! A estratégia do governo e dos patrões é enfraquecer nossa organização e, para isso, a Reforma Trabalhista alterou de forma unilateral as regras que de financiamento dos Sindicatos. Hoje, nos mantemos com menos de 30% da arrecadação do ano de 2016. Agora, a sustentação financeira do Sindicato depende apenas da contribuição dos sindicalizados, embora as conquistas sejam para todos.

Com os sindicatos fragilizados, nossos direitos vão virar pó! Recesso, hora atividade, bolsa de estudos, férias não parceladas, garantia semestral de salário e outros direitos históricos da categoria podem acabar ou serem drasticamente reduzidos.

Sem o Sindicato quem perde é a categoria!

Por isso o Sinpro Campinas e região quer a participação de todos os professores, sindicalizados ou não, na assembleia do dia 3 de março. às 9h, na sede da entidade. É a categoria – e não os mentores da reforma trabalhista – que deve decidir sobre a sustentação financeira de seu sindicato e a cobrança da contribuição sindical.

Fonte: Sinpro Campinas

Artigos relacionados

informativos

Nota de Solidariedade aos Professores Demitidos e de Repúdio ao Desmonte da Educação

A diretoria Apropucc recebeu com indignação o anúncio divulgado pela mídia da demissão coletiva de professores do ensino privado e decidiu expressar solidariedade aos professores demitidos e repúdio ao desmonte da educação.

informativos

Eleição docente para o Consun será de 19 a 23/02

De 19 a 23 de fevereiro acontece a eleição para representação docente e técnico-administrativo no Consun (Conselho Universitário). O duração do mandato desses membros é de dois anos, podendo ser reconduzidos. A

informativos

MIS Campinas realiza ciclo de cinema “Mulheres na Direção”

O ciclo “Mulheres na Direção”, promovido pelo MIS (Museu da Imagem e do Som), apresenta documentários recentes dirigidos por mulheres. O objetivo da mostra é destacar a contribuição das mulheres à produção

0 comentários

Nenhum comentário

Você pode ser o primeiro a comentar esta matéria!