Escolas não podem utilizar banco de horas para compensar emendas de feriados

Professores que trabalharem fora do horário contratado devem receber horas extras

A adoção do banco de horas feita por algumas instituições de ensino para compensar emendas de feriados não está prevista nas Convenções e Acordos Coletivos de Trabalho da categoria, sendo assim irregular. Não é possível utilizar desta prática para compensar trabalhos como reunião pedagógica, festas e qualquer atividade fora do horário contratual do professor.

“A emenda de feriado é uma iniciativa da escola, então o professor não deve compensá-la em outros dias, principalmente aos sábados”, afirma Marilda Aparecida Ribeiro Lemos, diretora do Departamento Jurídico do Sinpro Campinas e Região.

Os professores não podem ter carga horária flexível, já que não se pode ministrar uma aula a mais, ou aumentar a duração de um período, o que descarta a adoção do banco de horas. Qualquer atividade realizada fora do horário contratado, seja ela aos finais de semana ou não, deve ser remunerada como hora extra.

Caso a escola se recuse a efetuar o pagamento sob a desculpa da existência do “banco de horas” a instituição estará desrespeitando a Convenção Coletiva e deverá ser denunciada ao Sinpro. O professor pode fazer a denúncia, com garantia de sigilo, pelo e-mail: sinprocampinas@sinprocampinas.org.br, pelo telefone (19) 3256-5022, ou pelo Fale Conosco do site: www.sinprocampinas.org.br.

Fonte: Sinpro Campinas

Artigos relacionados

informativos

Reforma trabalhista: entenda o que muda para o trabalhador

Proposta revoga 18 pontos da CLT e prevê terceirização, flexibilização da jornada, fatiamento das férias e fim da contribuição sindical O relator da Reforma Trabalhista, deputado Rogério Marinho (PSDB-RN), apresentou

informativos

Palestra: Administração Sindical em tempos de crise: formas de enfrentamento

“Administração Sindical em tempos de crise: formas de enfrentamento” é o tema da palestra organizada pelo CES (Centro Nacional de Estudos Sindicais e do Trabalho). Será no dia 4 de

informativos

Juiz propõe prorrogação da Convenção Coletiva por mais 45 dias

O vice-presidente judicial do Tribunal Regional do Trabalho (TRT), desembargador Carlos Alberto Husek, propôs a prorrogação da Convenção Coletiva dos professores de educação básica por 45 dias, a partir de

0 comentários

Nenhum comentário

Você pode ser o primeiro a comentar esta matéria!