Debate com candidatos a deputado estadual fez sucesso entre estudantes e professores

Na terça-feira (18) à noite, no Auditório Cardeal Agnelo Rossi, seis candidatos a deputado estadual participaram do segundo debate das eleições de 2018, promovido pela Apropucc, Sinpro Campinas e PUC-Campinas.

Participaram do encontro os candidatos e as candidatas Dra. Mariana Moura (PPL), Paulo Bufalo (PSOL), Gustavo Petta (PCdoB), Renato Simões (PT), Comandante Lourdes – Maria de Lourdes Soares (PSD), Robson Aparecido Primo (PDT) e Cintia Teixeira Zaparolli (PCO). Marina Helou (REDE) confirmou a presença, mas não compareceu.

O debate tratou de questões como a retomada do desenvolvimento, investimento em Educação e Saúde, superação das desigualdades sociais, geração de renda e combate aos preconceitos, investimento em Ciência e Tecnologia, fiscalização do Executivo e Lei da Transparência.

Durante as sabatinas entre os candidatos surgiram propostas para combater a violência contra “minorias” marginalizadas e discriminadas como LGBT, negros e mulheres. Foi unânime a ideia de que para prevenir os ataques é preciso articular políticas públicas de combate às desigualdades e de proteção à essas populações. Além disso, reforçaram que a garantia da participação nos espaços públicos, o respeito à cidadania e a luta em defesa de direitos humanos devem pautar as ações dos políticos, evitando, principalmente, o incitamento de violência e intolerância.

Em várias falas da plateia ficou reforçadaa necessidade de elegemos uma representação de candidatos comprometidos como os interesses da cidade.

Houve desentendimento entre os candidatos sobre políticas públicas reparadoras como o Prouni e Fieis. Para alguns a medida é paliativa, por isso não é a melhor solução, mas tem dado conta de garantir o acesso às universidades públicas. Outros defenderam que é preciso investir nos ensinos básico e médio públicos para permitir condições ao jovem de disputar vagas nestas instituições. Mas ambos foram unânimes em afirmar que é preciso ampliar os investimentos na USP, Unicamp e Unesp, principalmente nos Hospitais Universitários.
Para finalizar um dos candidatos lembrou que temos que fazer um grande esforço para retomar os investimentos em programas sociais, revogar as reformas prejudiciais à população e cobrar a implementação de reformas que não aconteceram, como a Tributária e a Democratização da Comunicação, sem deixar de lado o fomento à economia para alavancar a geração de emprego.

A comunidade acadêmica e a sociedade tiveram oportunidade de ouvir e ser ouvida no debate, encaminhando perguntas por escrito e no microfone.

Os dois debates tiveram como tema de inspiração a Encíclica do Papa Francisco que foi destaque no Colóquio Laudato Si’ (Louvado Sejas): por uma ecologia integral, que convoca a sociedade a ter uma vida simples, com consumo consciente e comportamentos e práticas justas e sustentável. Aos representantes políticos fica a ideia de pensar políticas que levem em conta o desenvolvimento sustentável.

Para a diretoria da Apropucc a realização dos dois debates eleitorais cumpriu com êxito a proposta de levar reflexão à comunidade acadêmica fomentando as discussões que ultrapassam os muros da Universidade dialogando com as propostas dos candidatos e candidatas.

Artigos relacionados

Notícias

Sarau do Professor: A importância da música no desenvolvimento humano

O Sarau do Professor abordará a importância da música no desenvolvimento humano. O evento, que acontece na próxima sexta-feira, 13 de novembro, às 18h, na página do Facebook e do

Notícias

PEC 395/14: Contee e entidades filiadas lutam contra o fim da gratuidade do ensino público

O plenário da Câmara dos Deputados possibilitou, na noite de quarta-feira (17), mais um ataque ao direito constitucional que garante “gratuidade do ensino público em estabelecimentos oficiais” ao povo brasileiro

Notícias

Professor, Professora, você não está sozinho(a)!

Estamos cientes das pressões, coerções e intimidações que os professores e professoras têm sofrido nos últimos dias relacionadas ao movimento “escola sem partido”, que visa coibir a liberdade de cátedra

0 comentários

Nenhum comentário

Você pode ser o primeiro a comentar esta matéria!