Volta às aulas: como desmobilizar a resistência

Luiz Carlos de Freitas*

Os sistemas de ensino encontraram uma forma de se livrar da responsabilidade pelo retorno às aulas em plena pandemia. A forma que encontraram foi deslocar a decisão para os pais.

Mas, mais que isso, este encaminhamento pretende bloquear o movimento e a organização de professores, estudantes e pais contra a reabertura – sem contar que cria uma pressão sobre os próprios pais que são reticentes à volta às aulas: eles devem assumir a responsabilidade por não enviar o filho à escola – e assumir também a consequência. Tudo isso é desmobilizador da resistência. O problema deixa de ser coletivo e passa a ser individual.

Pais que estão pressionados pela necessidade de trabalhar, sem condições de se manter em casa, tenderão a enviar seu filho para a escola para poder trabalhar. Enquanto isso, aqueles que têm melhores condições econômicas, tenderão a não enviar seu filho à escola – preocupados com a contaminação e tendo como acompanhar o ensino remoto.

Além disso, quanto mais desfavorecido é o pai, mais tende a valorizar a escola, pois é o único espaço que o filho pode frequentar e que, supostamente, permitiria a ele melhorar de vida. Ficará em dúvida se deve impedir seu filho de ir à escola, assumindo sozinho a responsabilidade de deixá-lo em casa, pois desconhece as consequências e poderia estar tirando dele a oportunidade de progredir na vida.

Essas e outras razões vão fazer com que sejam, novamente, os mais desfavorecidos que irão se arriscar à contaminação reversa: mandam o filho para a escola e aumentam a contaminação daqueles que estão na sua residência – crianças acima de 10 anos transmitem o vírus tanto quanto os adultos – e espalharão o vírus em casa.

A tática de tornar decisões coletivas em individuais é antiga. Rompe o coletivo. Quando se quer desmobilizar uma organização coletiva, desloca-se a decisão para o indivíduo e, com isso, tira-se de cena a decisão coletiva que usualmente têm maior força.

Foi assim com a implantação das escolas militares. O governo apelou para a decisão direta dos pais dos estudantes. Eles deveriam dizer se queriam ou não a conversão da escola do filho em escola militar.

* Carlos de Freitas – Professor aposentado da Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas – UNICAMP – (SP) Brasil.

Fonte: Avaliação Educacional – Blog do Freitas

Artigos relacionados

informativos

TV Fepesp: Professores e a reforma das leis do trabalho

A CLT vai virar CLC – Consolidação das Leis do Capital? Entenda o que pretende a reforma trabalhista proposta pelo governo e como ela poderá afetar as suas relações de

informativos

Plano de Saúde garantindo até 1º de Maio, enquanto seguem as negociações

Devido às mobilizações e união dos docentes, foi estendido até o dia 1º de maio, o prazo de validade da cláusula que garante assistência médico-hospitalar a professores e auxiliares de

informativos

Boletim da Apropucc – 01/2021

Baixe o Boletim Apropucc – 01/2021, de 25 de Novembro de 2021.    

0 comentários

Nenhum comentário

Você pode ser o primeiro a comentar esta matéria!