Volta às aulas: como desmobilizar a resistência

Luiz Carlos de Freitas*

Os sistemas de ensino encontraram uma forma de se livrar da responsabilidade pelo retorno às aulas em plena pandemia. A forma que encontraram foi deslocar a decisão para os pais.

Mas, mais que isso, este encaminhamento pretende bloquear o movimento e a organização de professores, estudantes e pais contra a reabertura – sem contar que cria uma pressão sobre os próprios pais que são reticentes à volta às aulas: eles devem assumir a responsabilidade por não enviar o filho à escola – e assumir também a consequência. Tudo isso é desmobilizador da resistência. O problema deixa de ser coletivo e passa a ser individual.

Pais que estão pressionados pela necessidade de trabalhar, sem condições de se manter em casa, tenderão a enviar seu filho para a escola para poder trabalhar. Enquanto isso, aqueles que têm melhores condições econômicas, tenderão a não enviar seu filho à escola – preocupados com a contaminação e tendo como acompanhar o ensino remoto.

Além disso, quanto mais desfavorecido é o pai, mais tende a valorizar a escola, pois é o único espaço que o filho pode frequentar e que, supostamente, permitiria a ele melhorar de vida. Ficará em dúvida se deve impedir seu filho de ir à escola, assumindo sozinho a responsabilidade de deixá-lo em casa, pois desconhece as consequências e poderia estar tirando dele a oportunidade de progredir na vida.

Essas e outras razões vão fazer com que sejam, novamente, os mais desfavorecidos que irão se arriscar à contaminação reversa: mandam o filho para a escola e aumentam a contaminação daqueles que estão na sua residência – crianças acima de 10 anos transmitem o vírus tanto quanto os adultos – e espalharão o vírus em casa.

A tática de tornar decisões coletivas em individuais é antiga. Rompe o coletivo. Quando se quer desmobilizar uma organização coletiva, desloca-se a decisão para o indivíduo e, com isso, tira-se de cena a decisão coletiva que usualmente têm maior força.

Foi assim com a implantação das escolas militares. O governo apelou para a decisão direta dos pais dos estudantes. Eles deveriam dizer se queriam ou não a conversão da escola do filho em escola militar.

* Carlos de Freitas – Professor aposentado da Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas – UNICAMP – (SP) Brasil.

Fonte: Avaliação Educacional – Blog do Freitas

Artigos relacionados

informativos

Sinpro e Apropucc convocam assembleia para discutir carreira docente

No dia 12 de novembro, às 19h no Auditório D. Gilberto, o Sinpro Campinas em conjunto com a Apropucc fará assembleia para análise e deliberação sobre proposta de adequação do

informativos

Cineasta Carlos Pronzato fala da nova obra sobre os cem anos da greve geral de 1917

Argentino radicado no Brasil desde os anos 80, o cineasta Carlos Pronzato é um dos principais documentaristas da atualidade, com foco em temas populares e processos de lutas, entre eles

informativos

Diretora da Apropucc participa de live que discutirá pandemia, EAD e mercantilização do ensino superior

A Associação Brasileira de Psicologia Social – Núcleo Sorocaba (Abrapso) realiza nesta quinta-feira (15/08), às 16h, a live “Pandemia, Educação a Distância e Mercantilização do Ensino Superior: A Falácia do

0 comentários

Nenhum comentário

Você pode ser o primeiro a comentar esta matéria!