Ensino Superior, rodada final: agora, depende do patronal

Cláusulas sociais garantidas por dois anos quer dizer que uma importante parte da compensação do professor e do auxiliar está garantida. A questão agora é grana!

Está nas mãos do patronal a última proposta para encerrar as discussões da campanha salarial 2020 no ensino superior privado em São Paulo. Na rodada de negociações realizada nesta quarta-feira, 23/09, a comissão de negociação dos sindicatos cobrou das mantenedoras uma definição sobre cláusulas financeiras que levem em consideração todo o período de dois anos, já acordado para duração de novo acordo para as categorias.
“Este já foi um caminho bastante longo, para a construção dessas propostas”, disse Celso Napolitano, na sessão virtual de negociação desta quarta. “Todos sofremos com as agruras da pandemia, todos tiveram que se adaptar com o trabalho remoto. As instituições demitiram e insistimos em uma compensação para os que efetivamente trabalharam neste ano”.
Já houve acordo entre os sindicatos e as mantenedoras para a assinatura de uma convenção coletiva com a duração de dois anos, até 28 de fevereiro de 2022, com a manutenção de todas as cláusulas sociais da convenção atual. Isso garante direitos importantes como garantia semestral de salários, bolsas de estudos para dependentes dos trabalhadores, garantias ao trabalhador em vias de aposentadoria.
“Queremos dos representantes das mantenedoras, também, a garantia de que todas as cláusulas da convenção serão respeitadas igualmente”, disse Napolitano. “A integridade da convenção deve ser respeitada. Não podemos compreender um acordo em que a instituição decida qual cláusula respeitar. Havendo acordo, todas devem ser respeitadas igualmente.
Ao final da sessão desta quarta, o lado patronal se comprometeu a dar seu parecer final até a próxima semana, quando os dois lado voltam a se reunir na manhã do dia 30.

Fonte: Fepesp

Artigos relacionados

Notícias

V Caminhada Pelos Direitos Humanos de Campinas 2015

O Dia 10 de Dezembro é consagrado como Dia Internacional dos Direitos Humanos, por ser a data em que a Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) proclamou a

Notícias 0 comentários

Greve Geral histórica paralisa Campus I da PUC-Campinas e denuncia a tentativa do governo de acabar com o direito à aposentadoria e à CLT

O Fórum das Centrais Sindicais e as Frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo convocaram e os trabalhadores se uniram e foram às ruas na maior Greve Geral vista no

Notícias

Licença sem remuneração não deve atender aos interesses das escolas

O Sinpro Campinas e Região tem recebido denúncias de professores que estão sendo levados a solicitar licença sem remuneração para atender aos interesses das instituições do Ensino Superior e da

0 comentários

Nenhum comentário

Você pode ser o primeiro a comentar esta matéria!