Sinpro Campinas se reúne com professores do ensino superior

O Sindicato dos Professores de Campinas e Região (Sinpro Campinas) realizou, na tarde de ontem, uma reunião virtual voltada para professores do Ensino Superior com o objetivo de informar e sanar dúvidas sobre as conquistas para a categoria, advindas do acórdão da sentença do dissídio de greve iniciado pela Fepesp e sindicatos afiliados proferido pelo Tribunal Regional do Trabalho (TRT). A decisão é resultado da luta do sindicato na campanha salarial deste ano.

Entre as conquistas estão o reajuste em 10,78% nos salários (retroativo a partir de 1º de março), estabilidade no emprego por 90 dias e cláusulas sociais da atual convenção coletiva com validade estendida pelos próximos quatro anos, garantindo assim a manutenção de bolsas de estudos para dependentes, férias e participação nos lucros ou resultados, entre outros direitos.

A Participação nos Lucros ou Resultados (PLR) mereceu atenção especial na reunião. Trata-se de um benefício concedido pela empresa aos colaboradores, repassando aos salários uma porcentagem dos lucros obtidos no período de um ano. “Várias convenções coletivas estabelecem o direito à PLR e isso deve ser acordado com o sindicato. A negociação é feita entre a empresa e os funcionários por meio de uma comissão formada por três professores, representando a categoria, e três outros profissionais, representando as instituições de ensino”, explicou o advogado do Sinpro Campinas, Alexandre Andrade.

Nas palavras de Conceição Fornasari, presidente do Sinpro Campinas, a ação mais urgente a ser colocada em prática pela categoria, caso queira acelerar o processo para o recebimento da PLR, é formar a comissão negociadora ainda este ano. “Só depois disso é que os valores do benefício e a forma de pagamento poderão ser negociadas com as instituições de ensino.”, afirmou. Isso deve ocorrer o mais urgente em até 60 dias após a data de publicação da sentença normativa, ocorrida no último dia 4 de novembro,

Ainda segundo Fornasari, os docentes que se voluntariarem para participar da comissão terão apoio integral do sindicato, além de estabilidade de 180 dias (contados após a formação da comissão), garantida por lei. “Os professores estarão respaldados pela lei trabalhista e não poderão ser demitidos nos seis meses posteriores à negociação. É um direito da categoria! Além disso, o sindicato irá acompanhar todo o processo e ajudar com orientações jurídicas”, esclareceu.

Fonte: Sinpro Campinas

Artigos relacionados

informativos

Documentários : “Lutas Revolucionárias que Mudaram a História”

Neste 8 de março, Dia Internacional de Luta das Mulheres, a Apropucc disponibiliza uma coletânea de vídeos documentários sobre as “Lutas Revolucionárias que Mudaram a História”. Nossa intenção é fomentar

informativos

Fepesp lança livro mostrando como a educação superior privada tornou-se um negócio lucrativo e de baixo risco no Brasil

A Federação dos Professores do Estado de São Paulo-Fepesp reuniu os melhores especialistas e comentaristas sobre Educação para compreender as mudanças estruturais que vem ocorrendo nas últimas décadas no âmbito

informativos

TRT da 15ª Região concede Liminar determinando o pagamento da Contribuição Sindical independente de autorização prévia

Acaba de sair decisão do desembargador Francisco Alberto da Motta Peixoto Giordani, do Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região (Campinas), em Mandato de Segurança 0005385-57.2018.5.15.0000, dispondo que o disposto

0 comentários

Nenhum comentário

Você pode ser o primeiro a comentar esta matéria!