ARTIGO | A democracia em xeque e uma nova fase da exploração

José Alex R. Soares (*)

Há um ataque orquestrado contra a democracia brasileira, um ataque que visa desestabilizar as instituições de Estado no país. O mais dramático desse movimento é a longevidade desse processo de desestabilização, que vem sendo desenhada desde o golpe contra a Ex-presidente Dilma. Esse momento é o ápice desse movimento.

A tentativa de assalto ao processo democrático é moldada por um método tradicional que visa desestabilizar as instituições – desacreditar a educação pública de qualidade, a saúde pública através do SUS, a ciência, a constituição de 1988, desacreditar a história do país. Esse método de ação se baseia na MENTIRA e na violência política. Essas são as principais armas do governo.

Nesse sentido,  um Governo que estrutura seu mandato na política da MENTIRA tem como objetivo final perpetuar-se no poder, construindo um sistema de castas que funciona apenas sob a órbita da destruição das instituições democráticas.

O esgarçamento do tecido social provocado pelo atual governo, e consequentemente do caos político, gera uma crise permanente de credibilidade das instituições. O governo aposta em grupos de poder paralelo ao Estado, na constituição de grupos armados paramilitares, de forma semelhante a outros países da América Latina que passaram por essa situação. O discurso da violência e do ódio é sistemático, uma intimidação adicionando força bruta de grupos de milícias políticas.

Contudo, não podemos nos enganar. O projeto autoritário não se restringe a consolidação de um núcleo familiar no poder, mas representa o ápice do projeto neoliberal de expropriação[1]. O projeto político autoritário é súmula vinculante de um projeto de expropriação do seu povo. A expropriação neoliberal só pode viabilizar pela mão do autoritarismo (via o caso chileno do Pinochet). A desintegração do tecido social e a constituição de uma ordem distópica paramilitar funcionam como instrumento de expropriação econômica e legitimação do caos econômico enquanto ordem reinante. Esta é uma lógica que retroalimenta poder e acumulação de capital enquanto naturalização do mal.

Denunciar seus atos e suas manobras é uma forma de dizermos de forma clara e alta que não aceitamos uma manobra golpista não apenas contra o processo eleitoral, mas contra um aprofundamento da espoliação do povo em nome da acumulação infinita. O silêncio não pode prevalecer nesse momento. As denúncias são mais que um ato de coragem, são um ato de resistência e de negação à desconstrução democrática, que pese suas lacunas.

—-

[1] Aqui nos valemos da dupla conceitual exploração-expropriação, como trabalhado por Nanci Fraser e Rahel Jaeggi (2020). Lançando mão de suas palavras “Expropriação é acumulação por outros meios. Enquanto a exploração transfere valor para o capital sob o disfarce da livre troca contratual, a expropriação dispensa todas essas sutilezas em favor de um bruto confisco- do trabalho, sem dúvidas, mas também de terra, animais, ferramentas, minerais e depósitos de energia, bem como de seres humanos, suas capacidades sexuais e reprodutivas e seus órgãos corporais. As duas ‘ex’ são igualmente indispensáveis à acumulação de capital, e a primeira depende da segunda, de modo que não se pode ter exploração sem expropriação” (Fraser e Jaegger, 2020, p. 58).

José Alex R. Soares – Economista, pós-doutor pela FEA/USP, doutor pelo Prolam USP e professor de Economia do CEA na PUC-Campinas

Artigos publicados não representam a posição da Apropucc e suas informações são de total responsabilidade dos autores.

Artigos relacionados

Notícias

RABECA CULTURAL | Estão abertas as inscrições para o curso online “Aprenda a Escrever um Artigo Científico”

A Rabeca Cultural convida para o curso “Aprenda a Escrever um Artigo Científico” com a Profa. Dra. Juliana Gesuelli Meirelles. Será dias 10, 17 e 24 de abril e 8

Notícias 0 comentários

Sinpro oferece capacitação em “Danças Circulares Sagradas”

O Sinpro Campinas está com inscrições abertas para as aulas de “Danças Circulares”, que acontecerão todas as terças feiras, das 19 às 21 horas. O trabalho será realizado por Mairany

Notícias

Unicamp também ministrará disciplina sobre o golpe

Jornal GGN – A disciplina especial ‘O golpe de 2016 e a democracia’, do professor Luis Felipe Miguel, na UnB, que fez com que o ministro da Educação, Mendonça Filho, esbravejasse,

0 comentários

Nenhum comentário

Você pode ser o primeiro a comentar esta matéria!