Ensino Superior: Cadê o meu reajuste? E o Plano de Saúde?

Reajuste está em negociação. Plano de saúde está em risco – não aceitamos troca por vale-refeição! Assistência médica assegurada enquanto negociações prosseguem.

Fossem estes tempos normais, os professores e auxiliares do ensino superior privado em São Paulo já teriam recebido seu reajuste salarial. Nossa data base é 1º de março, e é quando se celebram os ajustes na convenção coletiva de trabalho.

Mas este ano a negociação é diferente. Um pouco mais complicada, porque todas as instituições reclamam (com ou sem razão) de dificuldades econômicas, mudanças na legislação, mudanças nos incentivos à educação superior, etc e etc. Um chororô total. E isso tem feito com que a discussão de cláusulas financeiras da convenção, como o plano de saúde de professores, fique mais acirrada.

De início, as instituições queriam acabar com seu plano de saúde. Não aceitamos –  a assistência médica é conquista da categoria de muitos anos (veja aqui: https://youtu.be/biS4wZSgjF4 ). Agora – na reunião de negociação da segunda, 23/04, o patronal propôs trocar a assistência média por vale-alimentação! Essa proposta esdrúxula foi rechaçada de imediato.

O que nós queremos? Três pontos são questões que não abrimos mão: a universalização do benefício para todos, independentemente da carga horária; o direito de opção pela permanência no plano em caso de demissão sem justa causa ou aposentadoria; e regras de transição transparentes com a preservação de direitos dos professores.

A instituições, através de seus representantes na negociação, também queriam acabar com o pagamento pelo professor de parcela do custo da assistência médico-hospitalar (hoje, em 10% do custo). Também foi proposta recusada pelos sindicatos: o pagamento de parcela assegura que o professor mantenha seu plano em caso de dispensa ou aposentadoria.

Nenhum acordo pode ser firmado sem que se resolva a questão da assistência-médica. Há consenso entre os negociadores pela manutenção de todas as regras atuais enquanto durarem as negociações desta campanha salarial. A próxima rodada de negociação será na segunda-feira, dia 7 de maio. O ponto que será discutido é o do pagamento de coparticipação pelos professores em consultas e exames, como forma de manter a assistência médica e de se tender a determinações da ANS, a Agência Nacional de Saúde.

De qualquer forma, não haverá mudança imediata dos planos de saúde dos professores – qualquer alteração só pode ocorrer nas datas de aniversário dos planos individuais. E também não haverá qualquer mudança nas cláusulas sociais, a maior parte dos mais de cinquenta itens da sua Convenção Coletiva de trabalho: em 2017, conquistamos um acordo de dois anos.

Ao final, cadê o seu reajuste? Ele ainda está sendo negociado, e será aplicado quando se concluírem as negociações desta campanha salarial, retroativo até 1º de março, nossa data-base.

Mas antes disso, atenção: você será chamado a discutir e deliberar sobre o reajuste e qualquer ajuste na assistência médica. Fique atento às informações e convocações do Sindicato!

Artigos relacionados

Notícias

Sinpro Campinas: Professores demitidos da PUC-Campinas conquistam revisão de valores

Os professores da PUC-Campinas demitidos sem justa causa, entre 6 de dezembro de 2012 e 30 de junho de 2017, que fizeram as homologações da rescisão do contrato de trabalho

Notícias

UNE denuncia impactos da reforma trabalhista no ensino superior

A Contee nasceu na luta pelos direitos dos trabalhadores em estabelecimentos de ensino e pela defesa da educação pública, laica e de qualidade. Também a União Nacional dos Estudantes (UNE),

Notícias

PUC-Campinas abre inscrição para trabalhos para Seminário de Educação

Estão abertas as inscrições para o envio de trabalhos, nas modalidades Comunicação Oral, Pôster e Palavra de Professor/a, para o XII SEMINÁRIO DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO e o X SEMINÁRIO

0 comentários

Nenhum comentário

Você pode ser o primeiro a comentar esta matéria!