Reforma Trabalhista deve ser aplicada à luz da Constituição

Lei 13.467/17, relativa à Reforma Trabalhista, vigente desde o dia 11 de novembro de 2017, não pode ser aplicada aos processos ajuizados antes desta data. A reforma deve ser aplicada de acordo com a Constituição Federal e as convenções e tratados internacionais e os juízes do Trabalho, em suas decisões, não podem ser tolhidos na sua livre convicção motivada. Essas e outras diversas questões foram decididas na plenária que se encerrou, no último sábado (5), do 19º Congresso Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Conamat). No portal da Anamatra

A plenária aprovou 103, dentre 111 teses encaminhadas pelas comissões. O evento tem cunho deliberativo e vincula a atuação política da Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra), que reúne mais de 90% dos juízes trabalhistas em todo o Brasil.

Os magistrados decidiram, por exemplo, entre outras várias questões, que:

1) o regime de sucumbência em honorários advocatícios não pode ser aplicado aos processos ajuizados anteriormente à vigência da lei;

2) os créditos trabalhistas não podem ser atualizados pela TR (taxa referencial);

3) não está de acordo com a Constituição Federal exigir do reclamante, beneficiário da justiça gratuita, o pagamento de custas para ajuizamento de nova ação em caso de arquivamento da anterior;

4) o autor de ação, que esteja desempregado, tem direito à Justiça gratuita, não importando o valor de seu último salário; e

5) é inconstitucional que o crédito trabalhista seja utilizado para pagamento dos honorários dos advogados da reclamada.

Aprovou-se, também, tese pela qual se entende inconstitucional qualquer norma que blinde o conteúdo dos acordos e convenções coletivas de trabalho da apreciação da Justiça do Trabalho, inclusive quanto à sua constitucionalidade, convencionalidade, legalidade e conformidade com a ordem pública social; e, da mesma forma, a que denuncia como autoritária e antirrepublicana toda ação política, midiática ou administrativa que impute ao juiz do Trabalho o “dever” de interpretar a Lei 13.467/17 de modo exclusivamente literal.

Direito sindical
Questões ligadas ao Direito Sindical também foram discutidas no evento, tendo a plenária aprovado, por exemplo, tese que entende inconstitucional a supressão do caráter obrigatório da contribuição sindical do artigo 579 da CLT, porque lhe retira a natureza tributária, o que só poderia ser feito por lei complementar (e não ordinária, com é a lei da Reforma Trabalhista).

Fonte: Diap

Artigos relacionados

Notícias

Centrais farão jornada de luta contra reforma no dia 19/02

As Centrais Sindicais – CSB, CTB, CUT, Força, Intersindical, Nova Central e UGT -,  realizam em 19 de fevereiro um Dia Nacional de Luta contra a Reforma da Previdência. Sob o

Notícias

Fepesp: Sindicato forte, você forte!

Sozinho, cada um tem uma carga muito grande de problemas para resolver. Juntos, fica difícil nos dobrar. Somos muitos e vamos defender nossos direitos. Os direitos que já estão na

Notícias

As mulheres na mira da Reforma da Previdência

A Nota Técnica 171, elaborada pelo Dieese, analisa a situação atual das mulheres no mercado de trabalho para mostrar as consequências do que propõe para elas o projeto de Reforma

0 comentários

Nenhum comentário

Você pode ser o primeiro a comentar esta matéria!