Ensino Superior: sindicatos vencem patronal em julgamento do dissídio de greve

No julgamento do dissídio de greve no Ensino Superior Privado, o Tribunal Regional do Trabalho decidiu conceder reajuste salarial de 10,78% a professores e pessoal administrativo retroativo a 1º de março.

Essa decisão representa uma grande vitória dos sindicatos integrantes da Fepesp, que durante sete meses enfrentaram um patronal intransigente e contrário a qualquer recomposição de perdas salariais provocadas pela inflação. O índice indicado, de 10,78%, representa o INPC acumulado entre março de 2021 e fevereiro de 2022.

No seu voto, o desembargador Francisco Ferreira Jorge Neto, relator do dissídio, indicou ainda a renovação por quatro anos das cláusulas sociais existentes na convenção coletiva de trabalho de professores e de pessoal administrativo (estas, válidas para nove dos 25 sindicatos integrantes da Fepesp que também representam auxiliares de administração escolar).

O relator ainda decidiu conceder 90 dias de estabilidade a todos os profissionais.

O voto do relator foi seguido por todos os demais juízes da Seção de Dissídios do TRT. A redação final de todas as cláusulas será conhecida quando for divulgado o acórdão deste julgamento, ainda sem data para publicação.

Lembramos que, no semestre passado, a APROPUCC solicitou adiantamento do reajuste e, em julho, a mantenedora da PUC-Campinas antecipou 5% de reposição.

Sessão remota: julgamento pela Sessão de Dissídios do TRT dá vitória aos sindicatos da Fepesp, vencida a intransigência patronal

Categoria decidida dobrou patronal – Essa vitória é resultado da persistência e insistência dos sindicatos integrantes da Fepesp, com o apoio decidido e decisivo da categoria em assembleias em todo o Estado.

Desde o primeiro encontro entre a comissão de negociação dos sindicatos, coordenada pela Fepesp, e os representantes das mantenedoras, em fevereiro deste ano, o patronal não aceitava comum acordo e só protelou qualquer discussão séria. Mas perderam quando a categoria não teve dúvida em marcar greve e levar a causa ao Tribunal.

O dissídio de greve foi aberto por iniciativa da Fepesp e dos seus sindicatos integrantes, após assembleias de professores e pessoal administrativo decidirem por greve diante de propostas econômicas inaceitáveis e pela recusa patronal em negociar seriamente – até mesmo na reunião de conciliação no Tribunal, quando recusaram discutir proposta do juiz instrutor Gabriel Lopes Coutinho, em sessão no dia 26 agosto. Posteriormente, o Ministério Público do Trabalho considerou legítima a ‘iniciativa de greve da categoria profissional’.

Fonte: com informações da Fepesp

Artigos relacionados

Notícias

Promotoras e procuradoras rejeitam ‘Escola sem Partido’

O Movimento Nacional de Mulheres do Ministério Público se manifestou contra a Escola sem Partido. A proposta avança em diversos municípios e também na esfera federal, onde o Projeto de Lei (PL)

Notícias

15 DE OUTUBRO | Feliz Dia da Professora e do Professor

A Diretoria da APROPUCC parabeniza a professora e o professor da PUC-Campinas por manter viva a esperança na transformação do país por meio da educação, resistindo e fazendo o que

Notícias

“Mostra Luta!” completa 10 anos

“Mostra Luta!” completa 10 anos e vai oferecer uma programação gratuita e diversificada, que inclui teatro, música, exposições, rodas de conversa, exibição de filmes, entre outras atividades, em diversos espaços culturais de Campinas, entre

0 comentários

Nenhum comentário

Você pode ser o primeiro a comentar esta matéria!