Apropucc apoia a Conferência e Moção sobre Mudança Climática

Apropucc apoia a Conferência e Moção sobre Mudança Climática

Segunda-feira (30) começa em Paris a 21ª Conferência do Clima da Organização das Nações Unidas (ONU), a COP21, que nos próximos dias deve resultar na assinatura de um novo acordo, com mais de 150 nações, para combater o aquecimento global.

No momento em que passamos por uma escassez de chuvas e o nível das represas vem caindo de forma gradativa, preocupando os sistemas de abastecimentos hídrico e energético de muitas cidades brasileiras, é extremamente oportuno avançarmos na discussão das principais causas das mudanças climáticas e, principalmente, elaborarmos um documento ousado que consiga combater essa ameaça.

Pela urgência do tema, a Apropucc tem apoiado e participado, sempre que possível, dos debates e mobilizações/manifestações em defesa da preservação do clima e sustentabilidades ambiental, econômica e social com objetivo de propor políticas públicas e legislações de caráter mais objetivo tanto na cidade de Campinas, quanto no Estado de São Paulo. A entidade também assinou  moção em solidariedade à causa e manifestou publicamente seu apoio à Marcha Mundial pelo Clima (#entrenoclima) realizada em São Paulo e, simultaneamente, em várias cidades brasileiras, inclusive em Campinas.

O principal desafio de enfrentamento da crise climática pela COP 21, do ponto de vista do curto prazo, como também do longo prazo, é assinar um acordo para criar uma política comum de redução na emissão de gases do efeito estufa que impeça um acréscimo superior a 2 graus Celsius na temperatura média de superfície. Além de criar uma plataforma de financiamento de energia limpa nos países em desenvolvimento, zerar o desmatamento ilegal e reflorestar regiões estratégicas.

Para a Apropucc essa conferência é de extrema importância para construir um futuro melhor para as próximas gerações. E a busca de um mundo melhor para todos, sem dúvida, é o principal objetivo da nossa entidade.

O que é a Conferência das Partes (COP) da Convenção do Clima das Nações Unidas

Chamada de Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre a Mudança do Clima (do original em inglês United Nations Framework Convention on Climate Change – UNFCCC) foi elaborada durante a Rio-92 ou Eco-92 ou ainda Cúpula da Terra, que aconteceu no Rio de Janeiro, em 1992. Entrou em vigor em março de 1994, reconhecendo que o sistema climático é um recurso compartilhado, planetário, cuja estabilidade pode ser afetada por atividades humanas – industriais, agrícolas e pelo desmatamento – que liberam dióxido de carbono e outros gases – chamados gases de efeito estufa – que aquecem o planeta Terra. A Conferência das Partes (COP) é o órgão supremo da Convenção e reúne regularmente os países que assinaram e ratificaram a Convenção e o Protocolo de Kyoto. Suas decisões são soberanas e obrigam todos os signatários. Os países membros já se reuniram 20 vezes até hoje em conferências desse tipo (Berlin, Genebra, Kyoto, Buenos Aires, Bonn, Haia e Bonn, Marrakesch, Nova Déli, Milão, Buenos Aires, Montreal, Nairóbi, Bali, Poznan, Copenhague, Cancún, Durban, Doha, Varsóvia, Lima).

A 21ª Conferência do Clima (COP 21) será realizada em dezembro de 2015, em Paris, e terá como principal objetivo costurar um novo acordo entre os países para diminuir a emissão de gases de efeito estufa, diminuindo o aquecimento global e em consequência limitar o aumento da temperatura global em 2ºC até 2100. A partir da elaboração da Convenção durante a Rio-92, veja a seguir os principais destaques sobre o tema ao longo desses 23 anos.

Fonte: com informações do Portal do Instituto Socioambiental

Artigos relacionados

Notícias

Professores da PUC e do PIO XII começarão a receber processo de diferença de pagamento do aviso prévio

Os 70 docentes que foram demitidos da PUC-Campinas e PIO XII, no período de dezembro de 2011 a dezembro de 2012, começarão a receber o pagamento do processo coletivo feito

Notícias

Sala Aberta: Reforma da Previdência só vai piorar o mal-estar social do Brasil

A situação dos estados do Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro e agora Espírito Santo são só o início do que vem pela frente. A reforma da previdência pode

0 comentários

Nenhum comentário

Você pode ser o primeiro a comentar esta matéria!