Sinpro faz ações contra demissões irregulares de professores do Colégio Piracicabano e da Unimep

O Sinpro Campinas e região reuniu-se ontem, dia 10, com os professores do Colégio Piracicabano e da Unimep para tratar sobre as demissões dos docentes e as irregularidades cometidas pela Rede Metodista. Representaram o Sindicato o presidente, Carlos Virgilio Borges, a secretária geral, Conceição Fornasari, e o advogado, Marcel Serpellone.

Os docentes presentes foram informados das ações que o Sindicato está tomando perante às demissões irregulares e o não pagamento do salário e do décimo terceiro.  No dia 21 de dezembro, o Sinpro protocolou uma denúncia junto ao Ministério Público do Trabalho. Em resposta, o MPT afirmou que a Rede Metodista não havia informado sobre as demissões e requisitou ao Sindicato uma lista de todos os docentes demitidos, para que possa encaminhar a denúncia.

Os professores que ainda não entraram em contato com o Sinpro para informar da sua demissão devem encaminhar um e-mail para o sinprocampinas@sinprocampinas.org.br com as seguintes informações: nome completo, idade, CPF e data de admissão e de demissão até amanhã, dia 12, para que a lista seja encaminhada ao Ministério Público do Trabalho na próxima segunda-feira, dia 15. O Sindicato também protocolou junto à Universidade e ao Colégio, na tarde desta quinta-feira, 11, uma notificação pedindo os nomes dos docentes demitidos.

É importante lembrar que a Rede Metodista descumpriu o acordo que havia feito com o Sinpro, de encaminhar a lista com os professores demitidos até o dia 28 de dezembro de 2017.

Além do encaminhamento da denúncia, o Sindicato está realizando outras ações para que a Rede Metodista cumpra suas obrigações legais e regularize a situação trabalhista dos docentes.

Foi protocolada, ainda, na manhã desta quinta-feira, 11, uma notificação para o Colégio Piracicabano solicitando o pagamento das verbas rescisórias, os depósitos da multa do FGTS e as demais obrigações trabalhistas. O prazo para resposta da instituição é de 24 horas, caso não haja manifestação do Colégio, o Sinpro informará aos docentes a possibilidade de ingressar com ações individuais.

Quanto à Unimep, o Sindicato ingressará com uma ação coletiva na Justiça do Trabalho para reintegrar os professores, cujas demissões não seguiram o Estatuto e Regimento da Universidade.

Amanhã, dia 12, às 10h00, o Sinpro e a Adunimep participarão de uma audiência na Unimep, no Campus Taquaral, com representantes do Instituto Educacional Piracicabano.

Histórico

Não é a primeira vez que a Rede Metodista descumpre o Estatuto e Regimento da Unimep e demite arbitrariamente. Em dezembro de 2006, foram demitidos 148 professores da Universidade, sem justa causa e sem consulta aos Conselhos de Faculdade, como prevê o Estatuto. Graças a uma ação coletiva do Sinpro Campinas os docentes foram reintegrados duas semanas após a demissão.

Fonte: Sinpro Campinas e Região

Artigos relacionados

Notícias

‘Precariado’ tende a se alastrar no Brasil como nunca antes, diz sociólogo

A emergência de novos tipos de relações de trabalho, em que limites de jornada são mais flexíveis e o rendimento, variável, é uma tendência “deletéria” para a população, avalia o

Férias

A partir de hoje, 1º de julho estaremos de férias, retornando nossas atividades em 20 de Julho. Sabemos que nesse primeiro semestre os professores passaram por momentos difíceis, de muito

Notícias

Educação Superior: SEMESP faz proposta de plano de saúde

Na sessão de negociação desta segunda feira, 12/03, participaram a Fepesp, representando os professores, e o SEMESP, representando a comissão patronal das instituições de ensino superior privadas. Os representantes do

0 comentários

Nenhum comentário

Você pode ser o primeiro a comentar esta matéria!