Rabeca Cultural debate as distintas visões sobre Brasília

A Rabeca Cultural, “Projeto Revisitando o Brasil – do Local ao Global, do Global ao Local – Viagens Contextualizadas” e a Apropucc convidam para a conferência híbrida (online e presencial) sob o tema “Brasília… a grande planície ensimesmada”.

WhatsApp Image 2022-03-28 at 18.33.55Esse encontro será conduzido pelo Prof. Dr. Luís Antônio Jorge, na segunda-feira (04/04), às 19h30, de forma virtual (Zoom) e presencial. O encontro presencial acontece na Av. Dona Maria Franco Salgado, 260, em Sousas – Campinas/SP.

A curadoria do encontro é do Prof. Dr. Pedro Rocha Lemos.

Brasília, paradigma da cidade modernista do Século XX, permanece como tema de debates sobre urbanismo e sociedade, mito e linguagem, política e arte, ética e estética, tradição e vanguarda (arte e poesia concreta).

Desde sua proposição, pelo arquiteto e urbanista Lucio Costa, em 1957, o projeto e a cidade motivam polêmicas que refletem temas e opiniões muito distintas entre artistas, pensadores, políticos, visitantes ou moradores.

De meados do Século XVIII, primeiro gesto de intenção fundacional dessa capital até a sua realização na presidência de Juscelino Kubitschek, emergem distintas visões sobre o Brasil. Percorreremos uma seleção de retratos, críticas ou obras de arte que enfrentam o desafio de decifrá-la, à luz de informações da sua história: Benjamin Moser, Clarice Lispector, Guimarães Rosa, Mário Pedrosa, Lucio Costa, Oscar Niemeyer, Le Corbusier, Gilberto Freyre, André Malraux, Françoise Choay, Max Bense, Milton Santos, Lina Bo Bardi, Paulo Mendes Campos, Tom Jobim, Vinícius de Moraes, Marcel Gautherot, Jan Gehl, Antonio Risério e Kenneth Frampton.

Sobre o palestrante

Prof. Dr. Luís Antônio Jorge é Arquiteto e Urbanista formado pela PUC Campinas (1985), com mestrado (1993), doutorado (1999) e livre-docência (2016) pela FAU-USP, onde é Professor de Projeto e Pesquisador da Área “Projeto, Espaço e Cultura” do Programa de Pós-Graduação e Chefe do Departamento de Projeto.

Foi professor-convidado da Universidad Autónoma Metropolitana do México (UAM-Xochimilco), da Universitat Politècnica de Catalunya (UPC-Barcelona), da Universidade Técnica de Lisboa (UTL-Portugal), da Universidade Eduardo Mondlane (UEM-Maputo/Moçambique), da Yokohama Graduate School of Architecture (Y-GSA/Japão), do Politecnico di Milano (Itália) e da Princeton University (EUA).

Coordenou a equipe multidisciplinar que elaborou os subsídios para o Plano Diretor e a proposta de Lei de Uso e Ocupação do Solo de Campinas (SP).

Autor do livro “O Desenho da Janela”, recebeu 9 prêmios por seus ensaios, livro e projetos de arquitetura e urbanismo na área de patrimônio cultural brasileiro e habitação de interesse social.

Inscrições

As inscrições e informações podem ser obtidas pelo Whatsapp (19) 99720-6186 com Kha Machado. O investimento é de R$ 30 (aula ao vivo e presencial), R$ 40 (aula ao vivo + acesso à gravação) e R$ 40 (apenas a gravação).

Parcerias

Apropucc (Associação dos Professores da PUC-Campinas), Portal Campinas.com (campinas.com.br), CCLA (Centro de Ciências, Letras e Artes de Campinas), Jaguatibaia (Associação de Proteção Ambiental de Campinas) e Fundo HAJA.

Apoios

Faculdade de História – Grupo de Pesquisa de Estudos das Religiões e Religiosidade do Brasil (PUC-Campinas) e Sinpro Campinas e região (Sindicato dos Professores).

Fonte: Rabeca Cultural

Artigos relacionados

Notícias

1968: 50 anos depois – “Quem sabe faz a hora, não espera acontecer!”

De 16 a 18 de maio, às 19h, no MIS (Museu da Imagem e do Som) de Campinas,a Apropucc e demais entidades sindicais, estudantis e dos movimentos populares convidam para

Notícias

Chega de violência contra jornalistas, democracia e liberdade de imprensa!

Professores do curso de Jornalismo da PUC-SP manifestam indignação e cobram o fim da violência contra jornalistas e respeito à democracia e liberdade de imprensa!

Notícias

Balanço da SBPC aponta “cenário desastroso” na ciência e pesquisa do Brasil

A Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) divulgou, no último dia 19 de dezembro, um balanço da política científica brasileira em 2019. O documento teve pouca repercussão na

0 comentários

Nenhum comentário

Você pode ser o primeiro a comentar esta matéria!